A qualquer custo

A qualquer custo

Bem, chegou o dia! Ou carimba o passaporte para a próxima fase, e acaba logo com essa sina, ou perde de vez a credibilidade e a paciência da torcida. Sem falar do abalo psicológico que isso pode acarretar para a última partida na Argentina e até nas demais competições deste ano, como aconteceu no ano passado.

Frequentemente, sou citado aqui como um “incorrigível” otimista. Realmente me considero um otimista, mas não sou cego e nem me iludo facilmente. Nosso time AINDA não é aquele time Matador que ansiamos. Aquele que impõe sua superioridade técnica, resolve as partidas no menor tempo possível, e faz com que os adversários abaixem a guarda.

Na verdade, nosso elenco não tem demonstrado a qualidade que imaginávamos, como os resultados da nossa equipe mista vêm comprovando. Para piorar, depois de perdermos BISONHAMENTE o Everton Cardoso, e de forma ABSURDAMENTE INJUSTA o Guerrero, ficamos enfraquecidos na cobertura da marcação do lado esquerdo, na velocidade de transição para o ataque, com a perda do nosso melhor “garçom”, na capacidade de segurar a bola na frente e no entrosamento que já existia.

Mesmo em partidas onde dominamos os adversários na maior parte do tempo, temos passado sufoco em seus finais, permitido que nos imponham sustos desnecessários e até que nos impinjam uma derrota imerecida, como aconteceu no domingo passado. Em suma, ainda não temos uma equipe totalmente confiável.

E hoje VAMOS PRECISAR ser. Vamos ter que jogar MUITO direitinho, muito concentradinhos, muito aplicadinhos, muito focados e com MUITA SERIEDADE, se não quisermos correr risco de amargar mais uma decepção na Libertadores.

Se engana quem pensa que o Emelec está morto no grupo. NÃO ESTÁ! Ainda pode chegar aos 7 pontos, enquanto, neste momento, temos apenas 6. Mesmo um empate não seria considerado uma tragédia para os equatorianos, pois chegariam a 2 pontos, podendo ultrapassar o Santa Fé (jogando em casa) na última rodada e se classificar para a Sulamericana, competição bastante valorizada por eles.

Entendo perfeitamente que (a maioria do) nosso elenco atual não tenha responsabilidade pelos nossos fracassos passados nesta competição. Mas são REGIAMENTE pagos (incomparavelmente mais do que seus adversários de hoje), recebem as melhores condições de trabalho possíveis e o jogo é no nosso palco principal. Portanto, caso não consigam uma vitória, desculpas esfarrapadas ao final da partida NÃO SERÃO toleradas. 

Hoje, a vitória é OBRIGAÇÃO, sim. Hoje, a utilização de “malabarismos” e “firulas” é ABSOLUTAMENTE DISPENSÁVEL, se não tiver como objetivo principal superar a marcação ou facilitar o caminho em direção ao gol. Hoje, CORAÇÃO é mais importante do que habilidade. Hoje, falta de foco, de atenção, de dedicação, será considerado CRIME hediondo. Hoje, independentemente da idade de A, B ou C, é EXIGÊNCIA, SIM, que tenhamos 11 HOMENS dentro de campo, absolutamente conscientes de suas responsabilidades com o clube e sua torcida, que sejam capazes de arrancar uma vitória a qualquer custo.

PRA CIMA DELES, MENGÃO !!!