Pra Decolar...

Pra Decolar...

E aí, valorosa, inimitável e maravilhosa Nação (PRIMEIRA& ÚNICA) Rubro-Negra?!

Como tinha falado num comentário na coluna do KASSANDRO, meu ingresso já está comprado pra Flamengo X Inter, devo comprar ainda hoje pra Flamengo X Ponte e estou tentando resistir (pelo insano horário – e só por isso) ao do Emelec, mas tenho quase certeza que não conseguirei. rsrs

Depois de dias complicados, essa poderá ser uma providencial sequência de afirmação da equipe, do esquema e, embora não seja meu preferido e tema que uma decisão inexperiente coloque tudo a perder, do nosso treinador. Mas desde quando as coisas funcionam pelo padrão vigente no Mengão? Pode estar aí, no Barbieri, o diferencial que vai nos levar adiante nesta temporada. Ainda acho que a diretoria está buscando alguém pra assumir na “inter temporada” da Copa. É um pensamento viável, mas arriscado, pois se o time não mostrasse essa evolução, a coisa já poderia estar absolutamente complicada.

Agora, é curioso notar que, embora muitos contestem (eu mesmo não levava fé), as melhores apresentações do nosso time foram utilizando o tal 4-1-4-1. Senão vejamos: começo de temporada, Campeonato Carioca, ganhamos a Taça Guanabara com extrema facilidade alternando base e experientes. Na verdade, se levarmos ao pé da letra, atropelamos todo o Estadual, pois fomos donos da melhor campanha do certame. Na Libertadores, apesar dos percalços (melhor nem lembrar) contra o Santa Fé, que poderiam ter-nos dado a classificação antecipada, as atuações contra River Plate e Emelec foram bem consistentes. Sem contar a interferência INTERNA do soprador no resultado da estréia. INTERFERÊNCIA essa que nos tirou, também, uma liderança mais folgada no Brasileirão, onde a evolução do time omeçou a se fazer visível. Tivemos então mais duas atuações consistentes e seguras contra Ceará (chegando à liderança) e Ponte (nos deixando em vantagem para a volta das oitavas).

Vejam que adjetivei as atuações como CONSISTENTENTES. Em nenhum momento disse que arrebentamos, que está tudo bem e que não há nada a fazer, como costumam comentar alguns participantes do site ao criticarem o meu otimismo. E para exemplificar melhor essa minha opinião, vou reproduzir aqui - para quem não viu - trechos de um comentário meu após o jogo contra o América-MG que assisti das arquibancadas do Maraca:

“Pena que Diego e ER não estavam em campo, pois as últimas impressões que tive deles "in loco" eram muito diferentes da que vejo vociferarem pelas RSs da vida. O time está espaçado, ocupando boa parte do campo... Mas também está posicionado com os jogadores muito longe uns dos outros. Pra um time que visivelmente prefere o jogo tocado essa proximidade se faz necessária. Outra coisa muito visível foi uma boa movimentação dos jogadores, mas sem ocupar os espaços vazios no meio (não sei se pelas ausências do Diego e ER). Por vezes se via um buraco enorme na defesa do América por ali, mas ninguém vinha pra explorar. O problema pode ser de treinamento, mas não podemos afirmar que o treinador não pede isso. Quantas vezes vimos um time recuar pra segurar um resultado e o treinador na beira campo implorando pros jogadores saírem de trás? Por falar em treinador: Barbieri, meu querido! Entendo a sua posição delicada de quem teve uma oportunidade inesperada, que sabe que mais que o bom futebol o que importa é o resultado, mas colocar quatro volantes tirando a possibilidade ofensiva do time matar o jogo foi demais... Substituições se explicavam pelas situações do jogo: Jonas no Arão, pois se este não estava conseguindo fazer o time andar pelos erros frequentes, aquele marca melhor e, quem sabe, poderia acertar um daqueles chutes de fora. Marlos no Geuvânio. Apenas pelo fato de ter entrado o Jonas e ter a defesa mais protegida por dois volantes deixar uma opção mais ofensiva e incisiva dos dois lados do campo (Vinicius Jr e Marlos). Bastava orientar os laterais a alternarem as subidas e deixar as jogadas ofensivas a cargo de Paquetá, os dois pontas e o Dourado.”

Foi o que vi sábado retrasado, os dois jogos seguintes mostraram um time, aparentemente, se aproximando mais e ocupando melhor os espaços, mas ninguém me tira da cabeça que esse tipo de observação só pode ser confirmado vendo o jogo no estádio. Não estou dizendo que o cara que pega o VT e vê diversas vezes, parando, anotando não tenha seu valor e conhecimento, mas lá você vê aquilo que as câmeras (ou a edição/corte) não mostram. É atrás disso, dessa confirmação da melhora do jogo coletivo, da confiança dos jogadores e, por conseqüência, de um amento e apoio da torcida que eu vou amanhã. Espero encontrar...

Saudações Rubro-Negras!!!

(PS: palpite? Hummm... Vou mudar pra arriscar ganhar um manto oficial: Flamengo 5 X 1 com um do Paquetá, dois do Vini Jr, um do Dourado - sem ser de pênalti -  e um do Guerrero entrando no 2º tempo pra matar de vez o jogo. Diz aí, PRESIDENTE?! kkkkkkkk)