| Futebol

Ainda perto da confusão, Fla espera voltar a olhar para a 'parte de cima'

Às vésperas do jogo com o Criciúma, Léo Moura mantém cautela apesar da recuperação do time no Brasileiro, tendo vencido quatro dos últimos cinco jogos

Leo Moura no treino do Flamengo (Foto: Marcelo Carnaval / Agência O Globo)Leo Moura elogia trabalho de Luxemburgo (Foto: Marcelo Carnaval / Agência O Globo)

O Flamengo está na 13ª colocação no Campeonato Brasileiro, com 19 pontos, e vem de uma sequência de bons resultados, com quatro vitórias nos últimos cinco jogos. No entanto, a zona de rebaixamento ainda é um perigo real. São apenas quatro de vantagem para o Coritiba. Já a distância para o grupo dos quatro primeiros colocados é de 10 no momento (o São Paulo tem 29).

O Brasileiro ainda está na 16ª rodada, o que faz os objetivos se tornarem vagos. No discurso do Flamengo, a preocupação segue sendo fugir da confusão, como gosta de dizer o técnico Vanderlei Luxemburgo, o que contagiou os jogadores. No entanto, já há quem fale sobre outra parte da tabela.

- Não estamos longe, mas embaixo está muito perto. Com um tropeço, volta tudo. Queremos começar a olhar para a parte de cima da tabela, onde o Flamengo deve estar. Por isso, temos que vencer sempre para que isso aconteça - disse Léo Moura.

Para ficar mais perto dos principais colocados, vencer fora de casa se faz necessário. O Flamengo, no entanto, tem uma campanha ruim como visitante, tendo vencido apenas um jogo (contra o Coritiba) em sete disputados, com cinco derrotas sofridas.

- Nosso objetivo é vencer de novo. Temos que buscar pontos em casa e fora. A dificuldade é grande jogando em Criciúma, mas estamos em uma boa sequência, compactos, com todo mundo se ajudando. Tem tudo para dar certo - comentou Léo Moura.

Para esse jogo, o Flamengo não contará com Alecsandro e Paulinho, ambos machucados. Léo Moura considera a participação do técnico Vanderlei Luxemburgo importante para manter o grupo motivado mesmo com os problemas vividos no decorrer da competição.

- O time não encontrava o momento de acreditar. O time tem suas limitações, mas com condições de estar melhor. Quando passou a enxergar isso, melhorou. Tem o dedo do treinador na forma de jogar, de mexer com cada jogador - afirmou o jogador.


Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.