| Futebol

Análise do grupo do Flamengo: nem tão 'da morte' assim

Time treinado por Zé Ricardo tem a obrigação de se classificar na Libertadores

flameng - Análise do grupo do Flamengo: nem tão 'da morte' assim

A primeira rodada do Grupo 4 da Libertadores mostrou que a tal chave da morte não é tão assustadora assim. Mesmo fazendo um primeiro tempo abaixo da crítica, o Flamengo conseguiu golear o San Lorenzo por 4 a 0 quando o gol de falta de Diego acalmou o jeito afobado de ligar defesa e ataque. O Atlético-PR permitiu o empate de uma Universidad Católica mais por um recuo equivocado da equipe do que por enorme méritos dos chilenos.

Ainda que a primeira rodada sempre tenha times numa situação mais relaxada, certas qualidades já podem ser notadas. O Atletico-PR é um time mais perigoso quando conta com o foco do meia Carlos Alberto, e a defesa é ótima quando a equipe se espalha melhor pelo campo, sem recuar demais.

A Católica tem um lado esquerdo perigoso, guiado principalmente por Fuenzalida, mas precisa de Buonanotte inspirado. Além disso, falta entrosamento: Santiago "El Tanque" Silva ainda não achou seu melhor posicionamento dentro da área.

O San Lorenzo vai levar tempo para se encontrar. E o Flamengo tem opções. Diego é um recurso de luxo, mas não é compacto: Réver e Rafael Vaz se esticam demais para salvar a área de Alex Muralha e, com o meio-campo afastado, dado mau momento de Rômulo e Wilian Arão, a saída de bola ainda é dada primitivamente, por meio de chutões. O time ainda anda em busca do passe vertical, aquele papo reto que chega aos pés do atacante raspando a grama, depois de vencer as linhas inimigas.

Na partida contra a Católica, em Santiago, o Flamengo corre o mesmo risco de afobação. A primeira partida fora de casa sempre convida os jogadores a explorar o maldito "espírito de Libertadores", aquele clichê que sintetiza jogo feio, brutalizado, é frustrante. Entrar nesse clima no San Carlos de Apoquindo, em Santiago, intensificará a cultura do chutão e pode facilitar muito as coisas para a Católica.

No fim das contas, o Flamengo tem a obrigação de se classificar - mesmo que deixe seus pontos habituais na Arena da Baixada. Para isso terá de evoluir ao longo das seis rodadas. Seu estágio atual tem pequena vantagem nessa largada em relação aos demais adversários. Mas eles também deverão evoluir.

PRÓXIMOS JOGOS

A segunda rodada do Grupo 4 será disputada nesta quarta-feira. O San Lorenzo recebe o Atlético-PR no Nuevo Gasometro, às 19h30m. Universidad Católica e Flamengo jogam às 21h45m, no San Carlos de Apoquindo.

Fonte: http://oglobo.globo.com/esportes/analise-do-grupo-do-flamengo-nem-tao-da-morte-assim-21056494

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.