O meia-atacante, até então pouco utilizado no time principal, ​foi apontado pelo Valencia como uma possível moeda de troca na negociação. Não uma troca direta, com os espanhóis tendo a preferência na aquisição do jovem jogador. Isto é, se o Rubro-negro receber uma proposta por Paquetá até o prazo estabelecido, o Valencia pode cobrir - caso jogador e Flamengo aceitem. Algo que ainda não aconteceu, nem parece próximo de se concretizar.

O acordo tem validade até junho, ou seja, está perto do fim sem que a preferência não pudesse ser exercida. Também não surgiram ofertas para o futebol europeu, o que os flamenguistas acreditam que vá ocorrer na próxima janela. Seu contrato vai até 2020 e a multa rescisória é de R$ 220 milhões. Por ora, nada indica que o Fla abrirá mão de receber tal valor por aquele que surge como uma das principais promessas pratas da casa dos últimos anos. Enquanto isso, ele segue na Gávea comandando o time como um veterano.

​​