Após bom começo de ano, goleada do Flu coloca pressão extra sobre titulares do Fla para estreia na Liberta

Após bom começo de ano, goleada do Flu coloca pressão extra sobre titulares do Fla para estreia na Liberta

Uma nuvem ameaça o céu de brigadeiro do Flamengo. Com um aproveitamento até então irretocável até o último fim de semana, o time tinha tudo para entrar em campo contra o River Plate, nesta quarta-feira, no Nilton Santos, em meio ao melhor dos ambientes. Mas, mesmo sem terem participado da goleada de 4 a 0 sofrida para o Fluminense, no sábado, os titulares ganharam uma pressão em suas costas. Um tropeço na estreia da Copa Libertadores pode mudar o clima no clube.

O revés no clássico pelo Estadual só não ganhou repercussão maior porque o Rubro-Negro entrou em campo com um time reserva. Mas não foi uma derrota qualquer. O Flamengo não sofria essa quantidade de gols desde 27 de julho de 2017, quando perdeu por 4 a 2 para o Santos, pela Copa do Brasil. Pior ainda: não perdia por quatro gols de diferença havia um ano e sete meses. A última vez foi no 4 a 0 para o Corinthians, pelo Brasileiro de 2016.

O estrago obrigou o técnico Paulo César Carpegiani a assumir a responsabilidade pela goleada. Apesar disso, frisou que não se arrependeu por ter escalado os reservas. E fez questão de afirmar que a derrota em Cuiabá não influencia na partida de quarta-feira.

— O próximo jogo será outra situação. Nem por isso deixo de estar confiante — disse o técnico rubro-negro, que creditou a má atuação ao abalo provocado pelo gol sofrido no início do clássico: — Em qualquer circunstância, um gol muito cedo prejudica e muito.

Pesa a favor do Flamengo o fato de o adversário da Libertadores viver momento pior. O River Plate, que treinou ontem a portas fechadas, viaja para o Rio pressionado. A temporada 2017/2018 (o futebol argentino segue o calendário europeu) tem sido de maus resultados para o time de Buenos Aires. Em 17 partidas, foram oito derrotas, quatro empates e só cinco vitórias. O aproveitamento é de meros 37,2% dos pontos. Ao levar em consideração apenas os jogos de 2018, o desempenho é ainda mais desanimador. Foram três derrotas, um empate e uma vitória — 26,6% de aproveitamento.

Dúvida no gol

O Flamengo chega às vésperas do duelo contra o River Plate, pela Libertadores, com uma dúvida no gol. Embora considerado titular absoluto, Diego Alves ainda busca ritmo de jogo depois da cirurgia no ombro direito, realizada em novembro. Após os quatro gols sofridos contra o Fluminense, ele colocou sob suspeita sua participação na partida desta quarta-feira.

— Tem que perguntar para o Carpegiani — disse o goleiro, em tom enigmático.

O técnico, por sua vez, disse que ainda não conversou com o preparador de goleiros, Rogério Maia, para bater o martelo. Mas elogiou o começo de ano de Diego Alves. Ele só participou de dois jogos desde que foi liberado pelos médicos. No primeiro, contra o Madureira, passou ileso. No sábado, levou quatro gols do Fluminense. Se Diego Alves for barrado, César deve ser o titular.