A emissora, segundo o ​Blog do Rodrigo Mattos, não vê motivo algum para mudar o posicionamento de seus profissionais durante as partidas. Acredita que a localização privilegiada garante uma qualidade a mais na transmissão. Além disso, afirma que investe um alto valor para ter os direitos e que, portanto, pode explorar isso da melhor forma.

Após a ocorrência, a Globo já havia soltado uma nota oficial em que defendia o repórter. Este também se manifestou repudiando, até mesmo, ameaças de morte que passou a sofrer. "Assim como seus profissionais, a Globo está em campo para garantir a melhor cobertura e transmissão para o público apaixonado por futebol. Com visão crítica e imparcial", destacou o comunicado da emissora. O pedido do Santos não caiu bem na CBF, que de pronto não levou adiante a demanda.