| Futebol

Blog do Salata: 'Fla e o preço de estar há 32 anos longe do topo na Copa'

Zico, campeão da Libertadores em 1981: uma final, um título

Atlético-MG e Grêmio pegaram os grupos mais tranquilos na Libertadores de 2017. O Galo pega rivais sem grande tradição, em baixa, de acordo com a análise de jornalistas locais, e com viagens curtas. O Tricolor só tem como grande problema uma viagem para a Venezuela. Palmeiras e Santos não têm do que reclamar, assim como a Chapecoense. O Flamengo pegou a pior chave. Pagou pelo azar, claro, e por ter sido o único dos brasileiros na fase de grupos no pote 3. E não há do que reclamar, até porque tem time para vencer San Lorenzo (ARG), Universidad Católica (CHI) e possivelmente Atlético-PR.

“É um grupo difícil, entre os dois mais difíceis. Reflexo do ranking que o Flamengo tem. O Flamengo retorna à Libertadores, é natural não ser privilegiado no sorteio. Cabe a nós fazer um bom caminho e ter uma colocação melhor”, afirmou o diretor-executivo do Fla, Rodrigo Caetano. É isso. O ranking contabiliza a participação dos clubes na Copa nos últimos dez anos, coeficiente histórico e desempenho recente na principal competição de cada país. Não dá para dizer que o método é injusto. O Fla, um dos 13 campeões continentais na próxima edição do torneio, perdeu protagonismo na Libertadores e pagou por isso.

Desde a sua criação em 1960, 25 clubes já conquistaram a Copa ao menos uma vez. Entre eles, só o Racing (ARG), campeão em 1967, está há mais tempo sem o título do que o Fla, campeão em 1981 – único ano em que chegou à final. Foram mais duas semis, em 1982 e 1984. Depois disso, foram oito edições disputadas e as quartas como limite. Nas últimas duas, quedas na fase de grupos. O desempenho jogou o rendimento dos últimos dez anos para baixo. O coeficiente histórico também não é alto.

Se as bolinhas tivessem sido camaradas, o Fla poderia ter caído no Grupo 3, com River Plate (ARG), Emelec (ECU) e Melgar (PER). Teria sido melhor. Mas a chance maior de quem está no pote 3 é pegar pedreira. E foi assim. Como disse seu diretor, cabe ao Flamengo jogar e voltar a ser de chegada na Copa Libertadores, como foi no início dos anos 80. São 32 anos sem uma semi. É muito tempo.

A equipe, terceira colocada no Brasileirão, tem tudo para ficar ainda mais forte em 2017. Terá de estar preparada para pegar a melhor equipe chilena (Católica é bicampeã nacional) e um San Lorenzo que briga pelo título na Argentina. Atlético-PR e Millonarios (COL) duelam na segunda fase e o vencedor é favorito a ocupar a quarta vaga do grupo. Se for o Furacão, novo desafio ao Fla, que tem histórico ruim na Arena Baixada. Grupo difícil, mas que pode ser vencido pelo Rubro-Negro. E fortalecê-lo para seguir em busca do título que não vem há 35 anos. “Vai ser difícil para eles também”, disse o presidente Bandeira de Mello. É esse o pensamento…

OS GRUPOS DA COPA

GRUPO 1
Atlético Nacional (COL)
Estudiantes (ARG)
Barcelona (ECU)
Vaga aberta (Botafogo para entrar)

GRUPO 2
Santos
Independiente Santa Fe (COL)
Sporting Cristal (PER)
Vaga aberta

GRUPO 3
River Plate (ARG)
Emelec (ECU)
Independiente Medellín (COL)
Melgar (PER)

GRUPO 4
San Lorenzo (ARG)
Universidad Católica (CHI)
Flamengo
Vaga aberta (Atlético-PR pode entrar)

GRUPO 5
Peñarol (URU)
Palmeiras
Jorge Wilstermann (BOL)
Vaga aberta

GRUPO 6
Atlético-MG
Libertad (PAR)
Godoy Cruz (ARG)
Sport Boys (BOL)

GRUPO 7
Nacional (URU)
Chapecoense
Lanús (ARG)
Zulia (VEN)

GRUPO 8
Grêmio
Guaraní (PAR)
Zamora (VEN)
Deportes Iquique (CHI)

Fonte: http://www.lance.com.br/flamengo/blog-salata-fla-preco-estar-anos-longe-topo-copa.html

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.