| Futebol

Bons e baratos: com elenco de baixo custo, Nacional prepara desmanche

Time é avaliado em cerca de U$ 20 milhões, e negociações são tratadas como inevitáveis. Jovem destaque Silvio Torales vê mercado brasileiro como sonho

torales Fleurquín nacional do paraguai x defensor (Foto: EFE)Silvio Torales (à direita) vê o Brasil como um sonho (Foto: EFE)

O que um grande time brasileiro faz com U$ 100 mil, ou R$ 227 mil, em um mês? As respostas serão diversas, mas nenhuma delas será pagar os salários de um elenco inteiro. No Nacional-PAR, que recebe o San Lorenzo nesta quarta-feira, às 21h15, no jogo de ida da final da Libertadores 2014, essa é a realidade. E o orçamento apertado está longe de ser desculpa. É a solução. Com controle financeiro rígido, a diretoria montou um time competitivo e faz história. No entanto, o duplo destaque – pela boa campanha com jogadores baratos – tem seu efeito. Com tantos atletas de baixo valor no mercado, o clube se prepara para uma debandada.
 
Segundo Enrique Sanchez, dirigente titular do Nacional, o time paraguaio está avaliado em cerca de U$ 20 milhões (R$ 45 milhões). Um estudo da Pluri Consultoria colocou a equipe na 27ª posição entre os times da Libertadores 2014, com elenco avaliado em 15 milhões de euros no início do torneio. O valor médio de cada jogador não passa de U$ 1,5 milhão. Com tal preço, é praticamente impossível segurar os destaques do time.
 
- Estamos preparados, porque evidentemente uma final de Copa implica série de transferências, abre futuro para os jogadores. Sabemos que isso vai acontecer. Não temos uma equipe que possa substituir, mas vamos fazer o que sempre fizemos, que é apostar nos juniores. Não temos dinheiro para contratar, nem é nossa prática – comentou Enrique. 

Todo clube tem a intenção de vender. É o nosso capital. Para um clube como o nosso, o capital é importante, e os jogadores são nossos produtos. Não tem como escapar
Juan Carlos Galeano, vice-presidente

O vice-presidente Juan Carlos Galeano também não foge do assunto. As vendas de jogadores são tratadas como necessidade para manter o padrão orçamentário da equipe, que preza pelos pagamentos em dia.
 
- Todo clube tem a intenção de vender. É o nosso capital. Para um clube como o nosso, o capital é importante, e os jogadores são nossos produtos. Não tem como escapar. Mas estamos preparados – disse Juan.
 
Bons e baratos: os destaques do time
 
No clube, todos já dão como certa a saída dos três principais jogadores do time, os meias Derlis Orué e Marcos Riveros, que deve ir para o Olimpia, e o jovem Silvio Torales. Ainda não se fala em negociações avançadas, mas em sondagens, inclusive de clubes brasileiros. Orlué e Torales são os artilheiros do time na Libertadores, ambos com três gols e presença em todas as dez partidas da competição.

Derlis Orue Comemora gol do Nacional de Sarandi contra o ARsenal (Foto: Agência EFE)Derlis Orué deve deixar o Nacional após a final da Libertadores contra o San Lorenzo (Foto: Agência EFE)


O garoto Silvio, que fará 23 anos em setembro, se destacou pela boa marcação e as certeiras subidas ao ataque, com chutes perigosos de fora da área. Criado nas canteras do Nacional, já foi convocado para a seleção paraguaia três vezes e atuou em quatro partidas. O Cruz Azul, do México, é especulado como um provável destino após a Libertadores. O próprio jovem já fala em fim de ciclo no time e revela que o futebol brasileiro é um sonho para sua carreira.
 
- Estamos fazendo um bom trabalho e tomara que eu saia também. Penso que já cumpri um ciclo aqui e vamos ver o que acontecerá. Não sei se há ofertas, mas minha intenção é sair depois da Libertadores. Sempre foi um sonho jogar no Brasil. É um futebol muito competitivo e com grandes jogadores – admitiu Torales.
 
Derlis Orué, de 25 anos, é mais reservado. Diz que pensará em seu futuro somente depois das duas partidas da final. Meia que atua mais pelos lados, Orué é peça central no esquema de Gustavo Morinigo para os contra-ataques da equipe e também com chutes de longa distância. É outro com presença constante nas últimas convocações da seleção paraguaia.
 
- Não estou atentado a isso. Estou pensando no que posso fazer pelo meu time e na final da Libertadores. Depois vamos ver o que vai acontecer – declarou o meia. 

Marcos Melgarejo, comemoração do Nacional-Pr contra o Defensor (Foto: Agência Reuters)Melgarejo é um dos pilares do time paraguaio na campanha da Libertadores (Foto: Agência Reuters)

O zagueiro Ramón Coronel, de 23 anos, já é titular do time paraguaio e é outro que desperta interesse de grandes times. O meia Marcos Melgarejo, com dois gols no torneio, é um pouco mais velho, com 27 anos, é um dos pilares do Tricolor paraguaio e também não deve sair ileso. O técnico Gustavo Morinigo se prepara para ter um novo time após a Libertadores.
 
- É natural. Creio que os jogadores também vão ganhar, precisam seguir a carreira em outro clube, outro país. É muito normal. Temos que nos preparar. Minha responsabilidade é que se tenham suplentes para esses jogadores e seguir o curso do que estamos fazendo. Perseguir os nossos objetivos.
 
Enquanto sonha com o topo da América, o Nacional se prepara para ser desfeito após a possível glória. Mas não há título que mude a postura do clube, que seguirá apostando nos bons e baratos.
 
- Com o salário de dois bons jogadores brasileiros pagamos a nossa folha de um ano – brincou o dirigente Enrique Sanchez.

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.