Cada vez mais compacto, Fla se destaca na postura tática ofensiva

Cada vez mais compacto, Fla se destaca na postura tática ofensiva

Paulo César Carpegiani implantou uma postura no Flamengo que há muito tempo não se via pela Gávea. Um esquema com apenas um volante de ofício e outro flutuando entre o meio de campo e os flancos, dando mais liberdade para Diego se preocupar em ser o cérebro do time. Foi assim, mais um vez, que o Fla atuou e foi consistente. E o melhor, mostrou um poderio ofensivo que pode desmontar qualquer rival, quando encaixado. O resultado disso, vitória por 2 a 0, diante de um valente Boavista e o título da Taça Guanabara.

TROCA DE POSIÇÃO CONFUNDE O ADVERSÁRIO

Não é mistério como Paulo César Carpegiani tem feito seu time jogar e agredir o adversário na maior parte do tempo. Foi assim em todos os jogos do Flamengo na temporada até agora. E ao colocar Lucas Paquetá como segundo volante, o treinador confunde a marcação do adversário, porque o garoto se reveza na função pelo flanco com Everton Ribeiro. Ambos, também, ainda conseguem atuar na armação, liberando Diego para virar o homem-surpresa, que chega de trás para finalizar. Em diversas oportunidades o time fez isso neste domingo e o Boavista, sólido na maior parte do tempo, bateu cabeça.

LATERAL SE TORNA UM DRAMA

O coletivo do Flamengo, em especial o ótimo setor ofensivo armado, tem trabalhado em perfeita sintonia, mas as laterais estão destoando. Rodinei foi um fator importante. Entrou bem no segundo tempo e se agregou ao ataque, dando mais poderia ofensivo. Contudo, Pará e Renê ainda devem muito. Decisões erradas, seja na marcação ou no ataque, tem sido uma verdadeira dor de cabeça.

FATOR VINÍCIUS JÚNIOR

O garoto está mais do que iluminado neste início de temporada. Entrou na vaga de Paquetá, recuando Everton Ribeiro de vez, e infernizou a defesa do Boavista. Bem postado, o time de Saquarema se desmantelou com a velocidade e habilidade impostas pelo garoto na partida. Ele é opção fundamental para elenco. Seja como titular  ou entrando, tem sido o grande desafogo.

BOLAS AÉREAS SÃO ARMAS

O Flamengo também utilizou muito do jogo aéreo. Com a chegada de Henrique Dourado, o time ficou mais forte ainda nesta situação e o Ceifador é sempre o alvo a ser procurado. Diante do Boavista levou perigo em algumas oportunidades, mas não balançou as redes. Réver também foi perigoso, tanto que participou do gol que abriu o caminho para a conquista.

SE NÃO TIVER CUÉLLAR

Carpegiani não confirma, mas a entrada de Jonas foi totalmente tática e não apenas para descansar o colombiano. O volante deve ser o substituto na estreia na Copa Libertadores, já que Cuéllar está suspenso. Ronaldo e Romulo, outras opções, sequer foram relacionados. Willian Arão não é de marcação e disputa, hoje, posição com Paquetá ou Ribeiro. Jogar com os três será um tiro no próprio pé