| Futebol

Caneta, reconhecimento e derrota: Léo Moura completa 500 jogos no Fla

Lateral-direito recebe homenagens em dia de bom público no Maracanã, mas Rubro-Negro não evita final triste no confronto com o Santos

Na casa onde Léo Moura festejou uma série de conquistas com a camisa do Flamengo, a torcida estava presente para lhe dar os parabéns pelos 500 jogos - foram mais de 40 mil presentes. Mais do que merecido, afinal, a marca é difícil de ser alcançada em tempos de movimentação intensa no mercado da bola. O reconhecimento, porém, não impediu a derrota para o Santos, sábado, pelo Brasileirão.

 



Desde 2005 no clube, Léo Moura vestiu a camisa 2 como o torcedor que entrou em campo ao lado de Zico na infância. Dedicou-se, conquistou títulos do Carioca, duas Copas do Brasil e o Campeonato Brasileiro de 2009. Entrou em campo da mesma forma no domingo, com a faixa de capitão no braço e a vontade de vencer.  

No entanto, do outro lado havia o Santos de Robinho disposto a estragar a festa. Na formação para cantar o hino nacional, Léo Moura recebeu os cumprimentos dos adversários, que reconhecem nele um jogador de respeito, quase símbolo rubro-negro nos últimos anos. Associar jogador e clube é quase uma obrigação.

Léo Moura, Maracanã Flamengo (Foto: Divulgação )Léo Moura retribui carinho a torcedores: fotos e autógrafos (Foto: Divulgação )


- A marca é importante demais. Fico muito feliz por alcançar jogando pelo Flamengo. Para a festa ser completa faltou sair com a vitória, mas essas coisas acontecem. É motivo de emoção e orgulho. Faltou um pouco mais de sorte - comentou o jogador.

Os primeiros minutos foram intensos. O Flamengo foi ao ataque e Léo Moura protagonizou um belo lance, aplicando uma caneta desconcertante em Alan Santos. Suficiente para os aplausos dos torcedores, ainda que a jogada não tenha continuado.  

A torcida manifestava seu desejo de ver o jogador reinar em seu jogo de número 500. Mas foi o Santos que abriu o placar. Léo Moura estava na linha do gol quando o chute de Robinho venceu Paulo Victor e balançou a rede do Maracanã.  

saiba mais
  • Luxa se confunde e dá 500 anos a Léo Moura
  • Memórias de um capitão: aos prantos, lateral passa vida a limpo

Ele tentou reagir. Reclamou com o assistente de uma falta sobre ele não marcada. Correu para ajudar, duelou em alguns momentos com Robinho e deixou a torcida satisfeita quando conseguiu roubar a bola do craque do Santos.  

No segundo tempo, Léo Moura criou boa jogada, cruzou para Gabriel e viu a cabeçada ir para fora, sem direção. A agonia em busca de um gol foi grande. O capitão lançou bolas para a área, tentou se apresentar na área, mas o destino parecia decidido pela derrota em uma data marcante na sua vida.  

No fim do jogo, a derrota não foi suficiente para fazer o time sair vaiado. Léo Moura aprendeu a conviver com esses momentos. Saiu do campo e foi atender os fãs como já estava previsto. Teve seu dia de ídolo como merece por serviços prestados ao longo de quase 10 anos vestindo a mesma camisa. Sonhando com mais um.  

- Quero cada vez mais poder entrar em campo e poder ajudar o Flamengo com meu futebol, independentemente da quantidade de jogos. É se cuidar, preparar e prevenir. É o que tenho feito. Meu contrato termina no final do ano e deixo na mão do treinador e da diretoria. A vontade é de permanecer, mas vamos conversar no fim do ano. É terminar bem para poder continuar - afirmou Léo Moura, que completa 36 anos no dia 23 deste mês.

torcida Flamengo (Foto: André Durão / Globoesporte.com)Torcida marcou data com homenagem ao capitão do Flamengo (Foto: André Durão / Globoesporte.com)


Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.