| Futebol

Clássico decisivo entre Botafogo e Flamengo leva tempero sul-americano

Times jogam nesta quarta-feira pela semifinal da Copa do Brasil, com estrangeiros em papéis importantes

flameng - Clássico decisivo entre Botafogo e Flamengo leva tempero sul-americano

Talvez Jair Ventura ainda não tenha reparado, mas o mundo — em especial, a América do Sul — já está há tempos aqui no Rio, inclusive no futebol. Nesta quarta-feira, quando seu elogiado Botafogo receber o Flamengo, às 21h45m, no Nilton Santos, essa realidade estará exposta a cada troca de passes. Na estreia do colombiano Reinaldo Rueda, os dois times cariocas farão o mais importante confronto em um torneio nacional desde a final do Brasileiro de 1992. A semifinal da Copa do Brasil começa no Engenho de Dentro e termina na semana que vem, no jogo de volta, no Maracanã. O objetivo dos rivais é a conquista de um título nacional e a garantia da disputa da Libertadores do ano que vem.

Nesta viagem de trem, quem comanda o vagão alvinegro é um zagueiro argentino. Com carreira em times modestos da Argentina, Joel Carli vive, aos 30 anos, o momento mais importante de sua vida profissional. Dono da braçadeira de capitão, ele é o responsável por passar tranquilidade ao jovem Igor Rabello, de 22 anos.

Atrás dele está outro estrangeiro que ganha, a cada jogo, status de herói. É Gatito Fernández, que chegou com desconfiança, foi barrado por Hélton Leite e virou titular absoluto. Já são sete pênaltis defendidos em 12 contra sua meta no ano. A fase é tão boa que, mesmo com Jefferson — maior ídolo do elenco — em boa forma física, não se discute quem tem o direito a camisa número 1.

Na comparação com o rubro-negro, o Botafogo é menos internacional. Mas só quando a questão é a certidão de nascimento. Afinal, é na Libertadores da América que o time tem tido suas noites mais felizes do ano, como a da última quinta-feira, quando avançou às quartas de final. Curiosamente, são com letras e melodia inspiradas nas torcidas argentinas que os alvinegros têm embalado a boa campanha na temporada.

Do lado rubro-negro, a Libertadores traz memórias dolorosas em 2017. Com um dos dois maiores orçamentos do futebol do continente, o time não passou sequer da fase de grupos. A eliminação em maio veio em uma virada com direito a gol do adversário, o San Lorenzo, da Argentina, nos acréscimos. O momento foi o começo da derrocada do treinador Zé Ricardo, que, no entanto, seria demitido somente em agosto.

Estreante da noite, Rueda é o atual campeão da Libertadores. O colombiano conquistou o título pelo Atlético Nacional, de Medellín, quando teve um time elogiado tanto pelo resultado quanto pelo futebol ofensivo. Anunciado na segunda-feira, ele esteve presente em apenas dois treinos. Oficialmente, não comandou as atividades, já que não tem permissão para trabalhar no Brasil. Os treinamentos foram fechados à imprensa.

Num clássico municipal, válido por um campeonato nacional, mas com trejeitos de confronto internacional, o Flamengo tem quatro jogadores que conhecem o sabor de um título da Libertadores — o Botafogo tem apenas Roger, que entrou em um jogo da edição de 2005, vencida pelo São Paulo. No rubro-negro, Berrío foi campeão pelo Atlético Nacional, em 2016; Réver, pelo Atlético-MG, em 2013; Willian Arão, pelo Corinthians, em 2012 (apesar de não ter entrado em campo); e Pará, pelo Santos, em 2011.

Além de Berrío, o Flamengo tem outros cinco estrangeiros que estão inscritos na Copa do Brasil. Dois deles são da seleção peruana, Trauco e Guerrero. Com lesão muscular na coxa direita, o camisa 9 está fora do clássico de hoje. Estão na lista também o volante colombiano Cuéllar e o meia argentino Mancuello, ambos com possibilidade de reconquistar uma vaga no time titular com a chegada de Rueda. O mesmo acontece com o argentino Darío Conca, que segue fora da relação para os jogos. De volta, o meia Diego exaltou a aposta na intensidade contra um Botafogo encaixado.

— Nosso treino foi em altíssima intensidade, trabalho com bola, tático. É lógico que é muito cedo, mas chega um treinador muito motivado, e isso é contagiante. Já podemos ver, sim, a influência — afirmou o meia.

Fonte: https://oglobo.globo.com/esportes/classico-decisivo-entre-botafogo-flamengo-leva-tempero-sul-americano-21709309

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.