Com dificuldade para liberar jogadores, Flamengo trava chegada de reforços

Com dificuldade para liberar jogadores, Flamengo trava chegada de reforços

Ao definir que só se reforçaria em 2018 depois de abrir espaço no elenco e na folha salarial, o Flamengo travou seu planejamento. O motivo é o alto custo dos jogadores que o clube colocou na vitrine para serem negociados. Com altos salários e vínculos em vigor em sua maioria, nomes como Alex Muralha, Rafael Vaz, Gabriel e Mancuello, que despontaram na barca rubro-negra, têm as saídas dificuldadas no primeiros dias da nova temporada.

Em outra ponta, o Flamengo também sofre para concretizar as contratações pontuais. Muito porque elas dependem dessas saídas para respeitar o orçamento. No cenário atual, apenas Márcio Araújo, que teve vínculo encerrado no último dia de 2017, tem a situação encaminhada. Ou renova por um ano e sai por empréstimo ou rescinde. Com salário abaixo da média no Flamengo, está perto da Chapecoense, mas desperta interesse de outras equipes brasileiras.

Nos demais casos, os salários entre R$ 200 e R$ 300 mil afugentam os interessados. A ideia era vender Alex Muralha, Vaz, Mancuello e Gabriel para recuperar o alto investimento. No entanto, apesar de algumas sondagens, as negociações param quando os valores da cifras destinadas aos jogadores aparecem no papel. O goleiro teve contrato renovado até 2020 e reajuste salarial. O prazo é o mesmo do meia argentino. O atacante também renovou, até 2019, mesmo sem jogar. Já o zagueiro tem vínculo até o fim do ano.

A qualificação do elenco nos últimos anos, portanto, acabou fazendo com que as eventuais sobras de jogadores se desse em um patamar alto. Desta forma, o planejamento dos contratos e das próprias negociações estão mais criteriosos, e novas investidas são consideradas difíceis.

A indefinição sobre a permanência do técnico Reinaldo Rueda é apenas um agravante a mais. Nas últimas horas, a imprensa chilena deu conta que o treinador seguirá ao Brasil para confirmar seu acerto com a seleção do Chile ao Flamengo, que já se prepara para cobrar a multa rescisória e acena com Paulo Cesar Carpeggiani como comandante da equipe. Ele viria para o cargo de coordenador.

Sem a certeza sobre Rueda, a diretoria recebeu os primeiros jogadores no Ninho do Urubu ontem para o início da pré-temporada, de olho no Estadual. Foram sete atletas: Gabriel Batista, Thuler, Klebinho, Ronaldo, Jonas, Jean Lucas e Jajá.

O clube terá o elenco completo no dia 13. Até lá, espera definir tudo sobre chegadas e saídas. Para ter o lateral Zeca, do Santos, mesmo com cautela do setor jurídico, a diretoria descartou ceder o atacante Felipe Vizeu. O jovem é o único centroavante hoje, ao lado do garoto Lincoln, já que Guerrero ainda não sabe quando retorna até o julgamento na Fifa. Caso consiga diminuir ainda mais a pena de seis meses por suposto doping, pode ser o principal reforço.

Nos últimos dias, porém, dirigentes fizeram contato para oferecer a Adriano um projeto de recuperação, mas o ídolo não se enquadraria como nome de alto nível para o time principal em um primeiro momento. A ideia é recuperar o Imperador antes de pensar em contrato.

Ontem, a diretoria do Flamengo confirmou a ampliação do prazo de estudos para a viabilidade do terreno da Avenida Brasil, escolhido como possível local para a construção de seu estádio. O vice de patrimônio do clube, Alexandre Wrobel, agendou uma reunião para a próxima terça-feira com proprietários da área e arquitetos que já se debruçam no projeto há alguns meses.