| Futebol

Com "micro" caixa no Fla, base vai ter orçamento próprio para elevar verba

Diretoria quer separar receitas de categorias inferiores do profissional para orçamento de 2017. Verba de R$ 9,5 milhões representa 2% e é menos da metade de paulistas

flameng - Com "micro" caixa no Fla, base vai ter orçamento próprio para elevar verba

Marca mais valiosa do futebol brasileiro, dono de um dos maiores faturamentos e com projeção de mais crescimento ainda em 2016, o Flamengo tem ajustes a fazer para seu investimento do futebol. O clube inicia no último trimestre de 2016 planejamento para direcionar mais recursos para as categorias de base. Da previsão de arrecadação de R$ 420 milhões, a base receberá “apenas” R$ 9,5 milhões neste ano - o que representa pouco mais de 2,2% das receitas totais do Flamengo. A ideia é separar o caixa do futebol profissional da base para evitar perda de receitas em caso de situações emergenciais no elenco principal. 

A diretoria rubro-negra ainda discute qual o melhor modelo de investimento e quanto destinar para a formação de jogadores. Os bons resultados em categorias da base - campeão da Copinha em 2011 e este ano -, mais os avanços da estrutura para a garotada no Ninho do Urubu e, claro, a atual pujança financeira rubro-negra formam cenário positivo para o projeto. Até o fim de setembro, quando o orçamento para 2017 deve ser definido, o tema deve ir para o papel em forma de números para a proposta ir a votação no final do ano no Conselho.

- Existe interesse de maior investimento na base. É algo que ainda está em discussão - disse Carlos Noval, diretor de futebol de base do Flamengo.

Noval, o diretor de futebol Rodrigo Caetano e o coordenador Marcos Biasotto devem ser chamados para dar opinião e contribuir neste orçamento. Sem ficar atrelado ao futebol profissional, o dinheiro para a base fica mais “seguro”, acreditam os dirigentes do Flamengo. O que significa dizer que a necessidade de fluxo de caixa não descobriria o orçamento da base.

Na comparação com outros grandes do futebol brasileiro, a verba é baixa. Em 2015, o estudo do Itaú BBA, que colocou recentemente o Flamengo como marca mais valiosa do futebol nacional, sequer citou o Rubro-Negro entre os maiores orçamentos de base do futebol brasileiro. Corinthians e São Paulo põem R$ 27 milhões e R$ 26 milhões, respectivamente, para formação de atletas, folha salarial e gastos em geral com as divisões inferiores. Cruzeiro, Grêmio e Inter têm caixa próximo aos R$ 20 milhões.

Até mesmo na comparação com rivais do Rio o orçamento rubro-negro é menor - situação adversa se comparado ao futebol profissional. O Fluminense tem orçamento de R$ 15 milhões anuais com a garotada de Xerém. Ainda de acordo com a análise do banco Itaú BBA, que se baseia no balanço patrimonial dos clubes, o Vasco investiu R$ 12,5 milhões no ano passado. No Botafogo, cerca de R$ 6,5 milhões de gastos anuais. 

- Chamou a nossa atenção estes números relacionados ao Flamengo. Pode ter a ver com a estratégia de cortar custos, enxugar o clube, mas parece um corte errado - opina Cesar Grafietti, gerente de crédito do Itaú BBA e um dos autores do estudo.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/futebol/times/flamengo/noticia/2016/09/com-micro-caixa-no-fla-base-vai-ter-orcamento-proprio-para-elevar-verba.html

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

1 Comentário

Ronaldo Loureiro de MoraesHá 3 meses

Temos que investir mais na base. O sub-17 é excelente, com talentos natos: Vinicius Junior, Lincoln, Weslei, lateral-direito, Fabricio ( BILL), Luis Henrique e o outro Vinicius, excelente meio-campista. O sub-15 está arrebentando no campeonato estadual, com jogadores muito promissores. Eu costumo assistir aos jogos pela manhã, na Gávea.

Carregar mais