| Futebol

Como São Judas Tadeu se tornou nosso padroeiro

Santo foi apontado um dos responsáveis pelo tricampeonato estadual na década de 1950

Na década de 1950, o Flamengo amargava um jejum de títulos que incomodava a maior torcida do país. Em 1953, o Mais Querido iria completar nove anos sem levar um troféu para a Gávea, mas o plantel rubro-negro era de dar inveja, com nomes como Pavão, Rubens, Adãozinho, Índio, Evaristo de Macedo e Zagallo. Tantos craques, vestindo o Manto Sagrado, acabaram formando o ambiente perfeito para a mística da camisa rubro-negra entrar em campo mais uma vez. Padre Góes, pároco da Igreja de São Judas Tadeu, foi levado à Gávea, rezou uma missa e pediu fé. Os pedidos do religioso foram atendidos e o Flamengo chegou ao tricampeonato estadual: mas não antes de gerar muita polêmica no entorno do Cosme Velho.

Além das orações, o Padre Góes afirmou que, se os jogadores do Flamengo fossem à paróquia de São Judas e acendessem uma vela com devoção, o Flamengo voltaria a ser o campeão carioca. No dia seguinte, os atletas rubro-negros foram à Igreja do Cosme Velho e fizeram como combinado. Dito e feito: Flamengo campeão carioca de 1953. Mas nem tudo foram flores: a conquista gerou atrito com torcedores e dirigentes do Fluminense, que protestaram contra o padre rubro-negro. Os tricolores alegaram ser absurdo um santo interferir na competição e beneficiar um clube. Como um jogador experiente, Padre Góes não se intimidou com a pressão adversária e afirmou: "O Flamengo vai ser bi". Não deu outra: o Mais Querido levantou o troféu estadual novamente em 1954.

Após mais um triunfo, a torcida do Fluminense tomou uma atitude, revoltada com a utilização de poderes de uma divindade, que ainda por cima era a mais próxima do bairro das Laranjeiras. Os tricolores enviaram um abaixo-assinado ao Cardeal Jaime Câmara, dizendo que eram devotos do santo que estava ajudando outro time a vencer. Padre Góes, mais uma vez, não recuou e foi taxativo: "Garanto o tricampeonato carioca para o Flamengo". E, mais uma vez, acertou em cheio.

Em troca da "profecia concretizada" do pároco, São Judas Tadeu, o santo das causas impossíveis, ganhou a devoção da Nação Rubro-Negra e virou um dos santos mais populares do Rio de Janeiro. Até hoje, o elenco visita a Igreja de São Judas Tadeu no Cosme Velho ou recebe a visita do padre da paróquia.

Fonte: http://www.flamengo.com.br/site/noticia/detalhe/20266/como-sao-judas-tadeu-se-tornou-nosso-padroeiro

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.