| Futebol

Conheça a visão da EY sobre a reestruturação rubro-negra

Alexandre Rangel, sócio da Ernst & Young (EY), uma das parceiras do Flamengo, detalha plano de gestão rubro-negro

Alexandre Rangel falou sobre a gestão rubro-negra

Alexandre Rangel falou sobre a gestão rubro-negra

Durante o II Encontro de Negócios Rubro-Negros, parceiros e patrocinadores do clube puderam conhecer um pouco dos detalhes da reconstrução do Flamengo. Entre os palestrantes, estavam profissionais do mercado, como o sócio da Ernst & Young (EY) Alexandre Rangel, especialista em consultoria para megaeventos e clubes esportivos. Rangel possui experiência em projetos para a Rio 2016, além de atuações nos mercados de Petróleo & Gás e fontes renováveis de energia.

Comprometida com o propósito de colaborar para um mundo melhor de negócios, a EY é apoiadora oficial dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos, além de consultoria exclusiva da Rio 2016. A EY tem sido parceira na recuperação do Flamengo: em um primeiro momento, com o planejamento estratégico do Rubro-Negro e, atualmente, como parceira dos esportes aquáticos. Em entrevista ao Site Oficial do Clube, Rangel descreveu o processo que vive o Mais Querido. Entenda como, a partir de 2016, o clube terá todas as condições para dar um salto de competitividade no futebol brasileiro.

Confira a entrevista na íntegra

Site Oficial: Qual o papel da Ernst & Young na reestruturação do Flamengo?

Alexandre Rangel: Começamos a trabalhar com a nova diretoria em 2013. A EY sempre quis trabalhar com times de futebol. Mas não com qualquer clube. Estávamos buscando uma entidade séria, com um time de executivo com credibilidade e vontade de recuperar o negócio por meio de ações de gestão empresarial. Foi quando nos deparamos com o grupo que está a frente do Flamengo, profissionais com boa reputação pessoal e uma proposta de recuperação consistente e profissional do clube. Só então nos sentimos confortáveis para formar essa parceria estratégica.

Desde o início temos trabalhado em duas frentes: uma ligada a projetos de governança corporativa e gestão do clube e outra atuando como um grupo de aconselhamento, como um advisory board, trazendo para a gestão do esporte, práticas consagradas em outras empresas. A partir do ano passado, com a evolução das práticas de governança, chegamos à conclusão que era o momento de nos tornarmos patrocinadores dos esportes aquáticos.

Na última edição da revista Exame, uma matéria sobre o momento do Flamengo cita exemplos de clubes que não mantiveram a disciplina administrativa em momentos de recuperação e acabaram retornando ao caos financeiro. Como garantir que isso não ocorra com o Flamengo?

A revista foi muito feliz em citar outros clubes que tiveram momentos muito bons no esporte aliados à saúde financeira, mas depois fracassaram por falta de continuidade e consistência na gestão. A grande diferença do Flamengo em relação a esses exemplos é que o clube está trabalhando para tornar essas mudanças parte do seu DNA, ou seja, institucionalizando-as.

Uma coisa é ter pessoas bem intencionadas na direção, mas que não conseguem fazer com que as práticas de gestão continuem sendo aplicadas após saírem de seus cargos. No Flamengo o processo está sendo conduzido de outra forma. O clube vem investindo para tornar todas essas evoluções parte da sua estrutura. Como, por exemplo, as mudanças no estatuto que responsabilizam dirigentes por má gestão, assim como a obrigação recente de divulgação de dados financeiros, com punições para aqueles que apresentarem gestão irresponsável do orçamento. O clube também está em processo avançado de criação de uma auditoria interna, um passo importante para consolidar a cultura da boa gestão. E essas são coisas que independem das pessoas, é algo que fica.

Claro que ainda não foi feito tudo o que é necessário. Até agora foram implementados cerca de 30% de tudo o que vislumbramos como boa prática de governança. No entanto, da forma como as coisas estão sendo feitas, mesmo que entrem pessoas que tenham um nível de comprometimento menor com a boa gestão, o resultado não muda. Seja pelas regras e controles criados, seja pela cultura que estamos tentando incutir e que não vai mais aceitar desmandos ou uma gestão perdulária. Retirar o poder das pessoas sobre essas práticas e transformá-las em regra do clube já representa um grande e inédito marco.

Como o Flamengo reduziu tão fortemente sua dívida? Quais são as perspectivas de o Clube deixar de depender de empréstimos e adiantamentos?

Dívida é uma coisa que você sempre tem que controlar, mas nem sempre consegue eliminar por completo, e às vezes nem precisa. Todos nós temos dívidas, mas ela deixa de ser problema e vira solução quando se torna uma dívida de qualidade. Ou seja, é boa quando é contraída para gerar mais receita para o clube. A dívida é ruim quando usada para gerar resultado de curto prazo sem sustentabilidade e retorno.

Desde que começamos a trabalhar com o Flamengo, conseguimos reduzir essa dívida ruim. Os cálculos iniciais do clube apontavam uma dívida de R$400 milhões ao fim de 2012. Logo no início dos nossos trabalhamos, chegamos à conclusão de que o valor estava, na verdade, em quase R$800 milhões.

Apesar de ser um montante maior do que se supunha, a dívida vem sendo paga nesses dois anos e meio. O clube fechou 2014 com uma dívida liquida de R$577 milhões. No primeiro trimestre, conseguimos reduzir esse total em R$18 milhões, fechando março com R$559 milhões em dívida. O objetivo do clube é que até o final do ano a dívida total esteja abaixo de R$500 milhões.

Quanto menos você deve, menos você paga de juros, o que melhoram os termos de negociação com os bancos. Esse movimento cria um ciclo virtuoso, o que libera cada vez mais dinheiro para as atividades fins o clube. Idealmente, a divida líquida tem que ser menor que a receita líquida. Isso deve acontecer no inicio de 2017.

Contudo, hoje o maior problema da dívida do Flamengo não é o volume, é o perfil de pagamento de curto prazo. Mesmo depois de toda a redução do montante em 2013 e 2014, a dívida que se tem a pagar em 2015 ainda é maior que a receita prevista para o ano. Ou seja, mesmo dando lucro, esse dinheiro tem que ser essencialmente usado para pagar a o principal da dívida e seus juros, o que levará a falta de recursos para as contas do dia-a-dia, que terão que vir de novos empréstimos.

Mas essa situação vai mudar ao longo de 2016. E isso é ótimo porque vai sobrar cada vez mais para investir no clube. Não ter essa dependência de dívida externa, seja dos financiamentos e das antecipações de receitas, vai ser um dos grandes motores do crescimento do Flamengo.

Do ponto de vista puramente financeiro, como se compara o atual investimento do Flamengo no futebol? Quais são as perspectivas de valores e datas em que o clube poderá investir mais?

Em 2014, o Flamengo estava entre o 8° e 9º lugar entre os times que mais gastava com futebol no Brasil. Esse resultado se traduzia em campo. Teoricamente, se dinheiro fosse igual a resultado – a gente sabe que em futebol e em outros segmentos não é bem assim – hoje o Flamengo teria uma capacidade de formar bons times, mas para disputar apenas o meio da tabela. A perspectiva para 2015 é de transição orçamentária. Além disso, os problemas enfrentados por outros clubes devem ajudar o Flamengo a se posicionar melhor, principalmente após o fim da janela de transferência do Campeonato Brasileiro, em que alguns competidores terão que fazer fortes ajustes. Mas em 2016 tudo muda. No próximo ano, o

Flamengo aumenta sua arrecadação em torno de R$70 a R$90 milhões por conta da TV e reajustes de contratos de marketing. Então essa verba será toda aplicada no futebol.

Aí começa outra diferença de como o novo Flamengo pensa de forma estratégica, de forma bem diferente da gestão tradicional, antiga e ultrapassada do futebol: Não é apenas pegar 100% desses novos valores e botar exclusivamente em ações do curto prazo, como a compra de jogadores formados para o time profissional. O clube precisa investir parte no longo prazo: em ter um dos melhores centros de treinamento no Brasil, seja para formar novos craques em casa e seja para incentivar que os jogadores de renome do Brasil e do exterior queiram vir para o Flamengo. Isso porque, ter condições de trabalho e desenvolvimento é um dos fatores de decisão para vários jogadores de alto potencial e seus empresários. Jogador bom evita ir para time com CT ruim, é fato.

Parte desse dinheiro extra tem que ser separado para o clube investir no médio prazo: na base, não só em equipe técnica, mas também captando jogadores com idade sub-15, sub-19 e formar jogadores diferenciados que possam entrar no time profissional em um horizonte de 3 a 5 anos. Então, pelo plano estratégico, esses investimentos de médio e longo prazo também serão priorizados. Mesmo assim, em 2016 se o Flamengo já não for o time que mais investe no futebol profissional será próximo disso. A partir daí, de 2017 em diante, devem ser agregados de R$30 a R$40 milhões todo ano em novas receitas vindas da expansão do programa de marketing e das receitas de competições (mais publico melhores valores de ingresso e prêmios). E isso vai se tornando uma vantagem competitiva em relação a outros clubes.

Naturalmente, só ter dinheiro não garante o resultado, caso contrário, tanto o Real Madrid quanto Bayern de Munique seriam campeões todo ano. Mas a perspectiva a médio e longo prazo é que essa situação de folga financeira acabe se refletindo no futebol e o time tenha condições de disputar todos os anos o topo da tabela e com isso os títulos serão mais frequentes.

Vale lembrar que além desse dinheiro a mais que o Flamengo vai receber pelo aumento de receitas, a partir de 2016 também teremos a redução dos gastos pela eliminação progressiva das dívidas e juros, então cada ano vai sobrar mais dinheiro. Vamos saltar de um patamar de R$160 a R$180 milhões em 2014 e 2015 e chegar próximo a R$250 milhões sendo investidos no futebol entre 2016 e 2017, e acima de R$300 milhões entre 2018 e 2020.

Muitas pessoas começaram um debate sobre a cota de TV desequilibrar o futebol brasileiro, mas o Flamengo não está contando com isso como sua maior fonte de receita. Como explicar?

Essa é uma decisão estratégica e representa uma grande mudança de conceito que o Flamengo está implementando no futebol brasileiro, que é tomar a decisão de

não depender da TV. Existem três elementos que compõem a receita do Flamengo, cada um deles respondendo por 1/3 do total. O primeiro é a receita de transmissão, que inclui TV aberta, cabo, pay-per-view, internet e outras receitas de publicidade estática e digitais. O segundo é a renda de competições, que corresponde ao ingresso, receitas de estádio, programa de sócio-torcedor e premiação. E finalmente o terceiro são as receitas de marketing, tais como patrocínios diversos e licenciamento.

O Flamengo já conseguiu atingir esse equilíbrio. Ano que vem, com o aumento da parte de transmissão, a TV deve voltar a ocupar um espaço maior. Contudo, já existe uma ação importante no marketing do clube para que a TV não ocupe por muito tempo mais de um terço da receita líquida total, o que força o time a explorar de forma cada vez mais agressiva e diversificada novas oportunidades de receitas de marketing.

O Flamengo tem hoje 37 patrocinadores e pouca gente sabe disso. Com diversos tipos de patrocínio, desde camisa de treino, imagem, internet, patrocínios funcionais e institucionais. Por conta desse objetivo estratégico, o marketing está focado em explorar ainda mais outras opções. Não faltam referências. O Manchester United, por exemplo, tem mais de 200 patrocinadores em diversas categorias. O Flamengo está buscando formar uma marca com esse poder de atratividade. No ano que vem, quando a cota de TV aumentar, o marketing também terá que ampliar sua parte, assim como a renda de competições, para não deixar que as receitas de transmissão sejam predominantes.

Ainda nesse assunto, dentro do plano estratégico do Flamengo, como se avalia o cenário competitivo dos demais clubes brasileiros? Existe risco de "espanholizacão"?

O momento do futebol brasileiro é de transição. Alguns clubes também estão fazendo a travessia para uma gestão profissional. Um exemplo disso é o Palmeiras que a partir de um processo de profissionalização vem evoluindo passo a passo para um estágio cada vez melhor de competitividade. No outro extremo existem clubes com um seríssimo risco financeiro e com possibilidades relevantes de deixarem de serem importantes no plano esportivo. Observando a situação de clubes tradicionais da minha época de adolescente, vários já desapareceram. No Rio de Janeiro havia seis grandes clubes e hoje só há quatro. Em São Paulo a situação se repete. No Nordeste você vê muitos clubes que passaram por problemas de gestão e desapareceram da serie A. Por outro lado, você vê a emergência de clubes extremamente bem geridos em estados como Paraná e Santa Catarina ocupando esse espaço, sendo vencedores, mesmo sem grande torcida ou cotas de TV. Em breve, com o crescimento econômico do centro-oeste, não será surpresa se um ou dois clubes de ponta, bem geridos, começarem a se destacar na série A.

Ou seja, se alguns clubes mais tradicionais, geridos de forma arcaica, não observarem esse movimento e se transformarem, eles correm sérios riscos de deixarem de existir e serem substituídos por outros mais modernos, simplesmente por não vão avançar em boas práticas de gestão. Nada diferente do que acontece em qualquer segmento da economia

Contudo, isso nada tem a ver com "espanholização", que é uma situação muito especifica da Espanha, de concentração de receitas em dois clubes e que não se repete em nenhum lugar do mundo. A distinção hoje no Brasil entre clubes bem sucedidos e enfraquecidos é puramente de gestão, não é de falta de dinheiro. Alguns vão evoluir, outros não vão e irão desaparecer, mesmo que a receita deles dobre. O Flamengo tomou a decisão, mesmo com sacrifícios no curto prazo, de continuar existindo. E isso vai ficar mais claro no ano que vem: 2016 será um ano marcante do futebol brasileiro.

Quais são os grandes desafios de gestão e finanças que ainda precisam ser observados? Quais os próximos passos para superar esses desafios?

Existe uma agenda de transformação do Flamengo dentro do plano estratégico e uma sequência de próximos passos dentro da consolidação da governança. Podemos resumir esse processo em quatro grandes frentes. Primeiro, a introdução no estatuto de todas as regras de governança que ainda não foram consolidadas e institucionalizadas. Uma segunda parte, que não depende do estatuto e é extremamente importante na minha opinião, é a implantação de mecanismos de governança e conformidade, elementos fundamentais de controle de gestão e prevenção de fraude, chamados no mercado de GRC (Governança, Riscos e Conformidade), como, por exemplo, a criação de uma estrutura de auditoria interna, de um comitê de gestão de riscos e da implantação da gestão dos processos. Enfim, colocar todos os processos de uma forma estruturada, formal e passíveis de controles independentes.

A terceira frente importante e que está ligada a ampliação de receitas, é o processo de internacionalização do clube. Esse é um processo muito maior do que levar a camisa para lojas fora do país, mas sim como você monetiza a imagem que o Flamengo tem lá fora e a amplia para que ela gere dinheiro. Como exemplo temos os clubes europeus que não apenas fazem turnês internacionais, mas também têm escolinhas incentivando crianças a consumir seus produtos licenciados, fazem ações de marketing, vendem revistas e produtos oficiais etc. Claro que essa é uma ação de longo prazo. Vai chegar o momento em que o Flamengo vai exaurir o seu potencial de receitas dentro do Brasil, mas já vai estar organizado para gerar receitas fora, combinado com uma série de outras ações, como por exemplo ter jogadores internacionais de renome jogando no time.

E existe uma quarta frente, ligada a recursos humanos, de criar um plano de carreira para as pessoas. Uma estrutura em que, por exemplo, um analista contábil do Flamengo vislumbre uma carreira e possa ascender no clube até um cargo de direção, com incentivos de remuneração variável, plano de metas e sucessão. Enfim, tudo que uma empresa que fatura R$600, R$700 milhões tem que ter para possuir uma equipe de alta qualidade e motivada.

Resumindo, o desafio é assumir um clube que fatura R$100 milhões por ano e prepará-lo para ser gerenciado como uma instituição de grande porte que gere mais de R$600 milhões por ano, com toda a sua complexidade empresarial.

A reportagem da revista Exame cita uma serie de projeções de títulos do Flamengo a partir de 2017 a 2021. Como se chegou a essas metas? Isso é factível?

Por trás dessas metas existem dois conceitos. O primeiro é disponibilizar recursos para o departamento de futebol para que ele possa montar um time de alta competitividade. A partir de 2016 e 2017, a ideia é de que o clube esteja financeiramente apto para disponibilizar valores compatíveis com a montagem de uma equipe de padrão internacional que seja forte candidata a títulos e que entre como favorita em qualquer competição da América do Sul. É em cima dessa meta que todos os sacrifícios de 2013 a 2015 estão sendo feitos.

O segundo ponto são as metas e incentivos. Essas metas servem para cobrar e remunerar os dirigentes, comissão técnica e eventualmente até os jogadores a partir dos objetivos estabelecidos. Se tudo der certo nesse plano, com o aumento de receita que teremos em 2016, a partir de 2017 existirá tanto a condição financeira para montar times fortes quanto os incentivos para que todos, do porteiro do CT ao diretor geral, sejam remunerados se as metas forem atingidas.

O Flamengo não é apenas um clube de futebol, mas, sim, um clube com vários esportes olímpicos e com atividades sociais. Como atender a todas essas demandas e manter um foco estratégico?

Isso é muito importante. O plano estratégico fez um diagnóstico bem interessante: o Flamengo, em 2012, tinha nove modalidades olímpicas e queria ser o melhor em todas, mas não era bom em nenhuma, seja pelas questões financeiras do clube seja pela falta de gente qualificada. O Real Madrid, por exemplo, é muito forte no basquete e no futsal. Mas você não os vê tentando ser o melhor do mundo em tudo, apesar de ter atletas em várias modalidades. Então cada clube tem que definir dois tipos de foco estratégico nos esportes olímpicos: primeiro, os esportes em que a meta é entrar para ganhar sempre e, segundo,

aqueles que vão existir com objetivo de formar atletas de base para as seleções olímpicas ou para formação atlética e cidadã dos jovens, mas que não vão receber dinheiro para trazer atletas "importados" para o clube só para ser campeão a qualquer custo. O Flamengo quer ser o maior formador da base de atletas Olímpicos em todas as modalidades, mas vai entrar também para ganhar tudo no adulto profissional em três modalidades prioritárias: basquete, remo e agora o vôlei.

Então o Flamengo não vai pegar dinheiro do futebol, do basquete, do remo ou do vôlei para trazer um nadador de alto nível da Holanda que não foi formado no clube e que não tem história no Flamengo só para ganhar o Troféu José Finkel (campeonato tradicional de natação). Mas, se precisar, vai trazer um pivô americano para ganhar o NBB. Da mesma forma, ele vai contratar o melhor remador argentino, além daqueles que forma na base, para ganhar os campeonatos carioca e brasileiro de remo. Ou vai colocar dinheiro para trazer o melhor levantador com objetivo de ganhar a Superliga de vôlei. Mas somente nessas três modalidades Olímpicas.

Nos outros esportes, o Flamengo vai investir em base, em treinadores, em tecnologia, em instalações e equipamentos esportivos de ponta e ciência do esporte para formar grandes atletas de ponta e cidadãos por meio dos valores do esporte, mas não vai fazer como antes, importar atletas a peso de outro fora das três modalidades chave para tentar sem sucesso ser campeão de tudo e drenar recursos do clube no esporte Olímpico sem nenhum foco estratégico.

A reportagem da Exame cita o Flamengo em 2020 tão dominante quanto o Barcelona ou Real Madrid, faturando mais de 650 milhões e com baixo endividamento. Nesse cenário, o Flamengo já pode ser considerado um time do porte dos grandes clubes Europeus?

Mesmo com todo esse crescimento, a ideia do plano estratégico é que o Flamengo chegue em 2020 com uma capacidade financeira de no máximo 40% da média dos grandes clubes europeus. Ou seja, para o Flamengo estar em linha com os times da Europa ele precisaria, além do seu próprio esforço, de um amadurecimento adicional de todo o futebol brasileiro que permitisse que o "bolo econômico" crescesse para todos e, assim, a parte equivalente do Flamengo pudesse estar próxima dos grandes clubes internacionais.

Contudo, a ideia é, em 2020, estar em um patamar de se aproximar desses clubes europeus, para que quando o Flamengo for disputar um torneio internacional, o time possa jogar um futebol competitivo. O que quer se evitar é, por exemplo, ganhar a Libertadores e ir a Tokyo ou a Dubai para levar de cinco do Real Madrid ou do Bayer. Claro que os times europeus sempre terão vantagem, mas nesse nível de diferença econômica que estamos prevendo para

2020 já dá para a gente mensurar uma vitória em condições "normais". Hoje a diferença é tão grande que disputar recorrentemente com esses clubes de ponta é um trabalho impossível.

Qual é a visão da EY no processo de responsabilidade fiscal do esporte em discussão no congresso e seus impactos no Flamengo?

Essa discussão é muito favorável e o Flamengo foi pioneiro e um dos líderes desse processo. Quanto mais clubes abraçarem essa causa, maior será o benefício para o futebol como um todo. Isso porque o Flamengo hoje é um clube responsável que paga seus empréstimos, impostos, não faz "pedaladas" com o direito de imagem dos jogadores, Mas, por vezes, ele compete com clubes que não cumprem todas essas regras e não honram seus compromissos. E isso é quase uma concorrência desleal, mesmo que, no médio prazo, a situação acabe prejudicando os próprios clubes infratores. Então se todos os clubes praticam boa gestão, é bom para todos e para o Flamengo.

Contudo, a crítica da EY é que a medida provisória se apropriou de coisas que não têm a ver com a boa gestão financeira dos clubes, ao invés de se ater ao refinanciamento e as contrapartidas de gestão. Colocou-se na MP coisas estranhas ao tema, como a regulação das ligas, da CBF e do futebol feminino. Esses temas podem ser interessantes para um debate acadêmico, mas não deveriam ser o foco dessa medida provisória porque acabam criando uma discussão desnecessária e tirando o foco do que é importante nesse momento: o refinanciamento das dividas fiscais dos clubes de futebol e a contrapartida do credor (governo) em exigir boas práticas de gestão em troca da adesão voluntária a esse novo parcelamento. E esse foco está se perdendo.

Você vê hoje que vários clubes e entidades esportivas estão sem patrocínio master. As empresas acabam se restringindo de investir em futebol, pois não acreditam na transparência e na gestão adequada do dinheiro que colocam nos clubes. Então isso vai afastando patrocinadores privados e diminuindo o bolo. Se todo mundo trabalhar de forma transparente e profissional, o bolo vai crescer e vai ser bom para todo mundo. Se só alguns investirem em gestão, naturalmente terão a maior fatia, mas o bolo será menor.

Trabalhamos para que o bolo aumente e seja bom para todo mundo. Se todo mundo ficar olhando apenas para a ‘minha cota’, ‘meu patrocínio’, então o esporte e, no fim, o futebol nunca vão crescer e ser o que deveriam no Brasil.

O Brasil é a sétima maior economia do mundo e talvez a vigésima economia do futebol. Isso é uma vergonha.

Qual é o papel da EY como parceiro estratégico de transformação do Flamengo para o futuro?

A EY é um apoiador do Flamengo. Não só como patrocinador dos esportes aquáticos, mas também um parceiro estratégico para trazer para dentro do clube princípios de gestão que foram consagrados em outras áreas da economia. E o que mais deixa a gente contente é que agora está chegando o momento de materializar essa evolução da situação financeira, que naturalmente vai acontecer, seja porque o Flamengo está fazendo seu dever de casa, seja porque outros não fazem.

Vamos continuar apoiando o Flamengo enquanto ele estiver alinhado com os nossos valores, com as boas práticas de gestão, para que ele seja esse fomentador de mudanças. Nosso objetivo é que lá em 2020 possamos olhar para esse plano e dizer ‘investimos e atingimos o resultado’, que é o que toda empresa de consultoria de gestão e estratégia deseja.

Qual a mensagem para o torcedor do Flamengo nesse momento?

O momento é muito importante. Não podemos, como EY, falar de desempenho esportivo, pois essa não é a nossa competência. Mas do ponto de vista econômico e administrativo temos certeza de que o Flamengo tomou a decisão correta. Sem dúvida, o clube não estaria na série A em 2015 se tivesse seguido outro caminho. Porque em 2013 ele era um clube já em situação pré-falimentar e isso exigia uma atuação muito dura e urgente. Sem nenhum exagero, se isso não fosse decidido lá em 2013, não existiria mais o Clube de Regatas Flamengo no curto prazo.

A gente sabe que passar por processos de restruturação empresarial não é uma situação fácil para ninguém, mas já vimos isso acontecer centenas de vezes em diversas indústrias. Com determinação e perseverança, o resultado vem. Os sócios e a torcida, os brasileiros em geral, têm que apreender a cobrar, não só o resultado esportivo, mas também transparência, ética e gestão. Felizmente, o Flamengo hoje continua a existir e, melhor, está construindo as bases para continuar a crescendo.

Fonte: http://www.flamengo.com.br/site/noticia/detalhe/21284/conheca-a-visao-da-ey-sobre-a-reestruturacao-rubro-negra

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.