Conselhos do Fla exigem contrato com financeira para votar operação polêmica

Conselhos do Fla exigem contrato com financeira para votar operação polêmica

O Conselho Fiscal do Flamengo solicitou que a diretoria do clube apresente o contrato com a empresa Capital 23, que está pendente para avaliação da operação de antecipação da receita da venda do atacante Vizeu. O recurso será usado para pagar a dívida por Marcel o Cirino.

Como o contrato ainda não está pronto, a reunião para aprovação da operação, no Conselho de Administração, segue no aguardo. Havia pressão para a marcação para a segunda-feira. No entanto, o presidente Bernardo Amaral descarta enquanto não tiver a documentação.

O Conselho Fiscal analisou a operação e deve emitir um parecer positivo. Mas a aprovação depende do Conselho De Administração aprovar. A oposição à diretoria argumenta que a verba seria adiantada de outro presidente, já que a Udinese pagaria ao Flamengo parcelas em 2019 e 2020. O presidente Eduardo Bandeira de Mello se apega a excepcionalidade do caso e defende a operação como vantajosa para o clube.

O departamento financeiro ainda não deu prazo para finalizar o contrato junto a financeira de Londres. A dívida por Cirino é de R$ 18 milhões. O Flamengo receberá R$ 12 milhões por Vizeu. Se pagar a dívida antecipada, alega que vai economizar. Mesmo assim o clube garante que terá recursos para honrar o pagamento à empresa Doyen, parceira na época de menos recursos.