De volta, Guerrero, do Flamengo, define a suspensão por doping como o momento mais triste da vida

De volta, Guerrero, do Flamengo, define a suspensão por doping como o momento mais triste da vida

Entrar em campo aos 13 minutos do segundo tempo, contra o Internacional, marcou o recomeço da carreira de Paolo Guerrero, após seis meses de suspensão por doping. Voltar a jogar significou deixar no passado um período desafiador para o psicológico do peruano.

— Foi o momento mais triste da minha vida. Mas tento sempre olhar para frente. Ver toda a nação gritando o meu nome foi incrível. Estamos no caminho certo. Para mim, foi um dia incrível — comentou o camisa 9, na zona mista do Maracanã, após a vitória rubro-negra por 2 a 0.

Guerrero ainda está fora de forma e nem precisou de uma atuação brilhante para fazer a torcida delirar. Houve ovação assim que ele foi aquecer e outra maior ainda quando o técnico Maurício Barbieri o chamou para entrar em campo.

— Ficamos felizes por ele foi muito tempo parado. Aos poucos, a expectativa é evoluir e se desenvolver para nos ajudar cada vez mais — disse o treinador rubro-negro.

Guerrero, que também tem como meta disputar a Copa do Mundo, tem confiança que o recurso da Agência Mundial Antidoping, que quer dois anos de punição, junto à Corte Arbitral do Esporte não terá sucesso.

— Estou confiante porque sou inocente — avisou.