| Futebol

"Depois que você dá o benefício não pode voltar atrás", diz dirigente do Fla

Presidente em exercício, Walter D´Agostino, afirma que torcida está certa <br>em reclamar, mas que a diretoria tem feito tudo que está ao seu alcance

Na ausência do presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, que está na Europa resolvendo problemas particulares, o vice presidente, Walter D´Agostino, está ocupando o cargo interinamente. Assim como os milhões de torcedores do Flamengo espalhados pelos quatro cantos do país, ele também está muito chateado com o futebol de baixa qualidade apresentado pelo time no Campeonato Brasileiro. Mesmo com a saída de Jayme de Almeida e a contratação do técnico Ney Franco, a equipe conseguiu apenas uma vitória nas nove primeiras rodadas da competição e está em penúltimo lugar, com apenas sete pontos. Apesar de afirmar que a torcida está certa em reclamar e que a diretoria fez tudo o que estava ao seu alcance até o momento, o dirigente pôs em dúvida se manter a decisão de dar 15 dias férias nesta pausa para a Copa a Copa do Mundo foi uma boa medida ou se ela deveria ter sido cancelada.

- Não sei se era hora de dar um soco na mesa e dizer que não tinha férias pra ninguém. Não se pode dar para o funcionário algo que você não possa tirar depois. Depois que você dá o benefício não pode voltar atrás. Não tinha que ter dado férias no início - disse em entrevista à Rádio Brasil.

Segundo D´Agostino, as conquistas da Copa do Brasil em 2013, além da Taça Guanabara e do Estadual este ano foram grandes ilusões, pois fizeram o clube acreditar que tinha time para ser campeão do Campeonato Brasileiro. Ainda assim, ele mantém a esperança de que o Flamengo irá sair desta situação delicada e pede a compreensão dos torcedores.

- Todos nós sabemos que o Flamengo está mal no futebol profissional e nas categorias de base. Não é possível uma divisão de base que perde de 7 a 0 para o Fluminense. Ao mesmo tempo, a torcida precisa entender que estamos fazendo de tudo para melhorar. Haverá mudanças e jogadores virão. O técnico é bom, mas nem Jesus Cristo agradou todo mundo. Temos que reconhecer os erros e tentar melhorar. O Flamengo não pode deixar de ser o que sempre foi.

Walter D'Agostino, candidato a vice-presidente geral  chapa azul do Flamengo (Foto: Vicente Seda / Globoesporte.com)Walter D'Agostino está ocupando a presidência do Flamengo interinamente (Foto: Vicente Seda / Globoesporte.com)



Já sobre a escolha do novo vice-presidente de futebol, o presidente em exercício afirmou que apesar de poder fazer esta indicação, esta decisão será tomada pelo presidente Bandeira de Mello, provavelmente até o fim desta semana. Ele só espera que seja alguém do ramo.

- Apesar de ter a "caneta" na mão não quero dar uma decisão só para aparecer. Sei dos limites da minha função. O presidente é que tem que escolher o substituto do Wallim Vasconcelos. Não tenho nome para o cargo de vice de futebol. Só quero que seja uma pessoa do ramo. Estou cumprindo minhas obrigações estatutárias sem comprometer a volta do presidente. 

D´Agostino respeita as recentes críticas feitas por Zico, mas salienta que ninguém da atual diretoria tem interesse em prejudicar ou se beneficiar do Flamengo.

- Zico é nosso ídolo, a nossa referência. Não se faz um Zico a toda hora. Há quanto tempo não fazemos um Zico? Todos nós somos profissionais bem sucedidos e após tantos anos de carreira  queremos só ter a gloria de comandar o Flamengo e livrar o clube desta situação delicada em que se encontra. No Flamengo, todo mundo pode falir e embobrecer, mas não prejudicar o clube. Temos que enriquecer as glórias do clube.

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.