"São jogadores que têm a mesma sensibilidade, sabem jogar e se procuram. Eles se complementam. É importante saber em que momento a equipe precisa deles e frente a quais rivais é importante ter os dois ou contra quem qual deles tem alternativa de competir com o outro ou ser o complemento ideal", afirmou o técnico, em entrevista ao canal Sportv, pouco tempo depois de ser apresentado pelo Flamengo.

Na última quarta-feira, no empate sem gols contra a Chapecoense, Diego novamente começou como titular, mas teve atuação discreta e foi substituído aos 42 minutos do segundo tempo justamente por Éverton Ribeiro. Após a partida, o camisa 35 garantiu que não há nenhuma restrição em jogar ao lado do 'novo' companheiro.

"Nunca ouvi de nenhum treinador que eu e o Everton não podemos jogar juntos. Ele é um jogador de muita qualidade", disse Diego, em entrevista ao ​globoesporte.com.

Éverton Ribeiro também se pronunciou sobre a situação e amenizou o fato de ficar no banco de reservas durante as partidas em que o Flamengo joga com a chamada 'força máxima'.

"Lógico que eu gostaria de estar jogando, mas tem a situação da Copa do Brasil. Sempre que precisar estarei à disposição, quero ajudar. Junto com o Diego ou não", concluiu.

​​