Diretor de futebol do Fla admite pausa no planejamento para 2017 após tragédia

Diretor de futebol do Fla admite pausa no planejamento para 2017 após tragédia

Depois de apresentar uma série de homenagens aos mortos, feridos e familiares das vítimas da tragédia envolvendo o elenco da Chapecoense, o Flamengo ainda sente o impacto do acidente. O diretor de futebol rubro-negro, Rodrigo Caetano, concedeu entrevista coletiva nesta tarde, apontou que os jogadores, muito abalados, ainda estão sem condições de dar entrevistas e declarou que o clube da Gávea interrompeu as conversas à cerca do planejamento de 2017, por conta do ocorrido na última terça-feira.

Leia mais:

Flamengo aguarda fim do Brasileirão para trabalhar em cima de reforços

Elenco do rubro-negro volta a homenagear a Chape antes de trabalho na Gávea

“Ficou suspenso sim (o planejamento), até porque o mundo do futebol parou e quem não se sente atingido numa hora dessas é porque é extremamente insensível. Nos próximos dias a gente vai retomar isso. Quando se fala em planejamento do futuro, a gente tem que ver o ano do Flamengo e, baseado nisso, eu queria fazer um agradecimento, independente dessa última rodada que vale um segundo lugar, mas ela perdeu muito a importância. Me resta agradecer a comissão técnica, atletas e os funcionários, porque foi um ano atípico, A equipe viajando desde janeiro até o início de novembro”, declarou Caetano.

Semana do Rubro-negro praticamente parou após acidente da Chape (Foto: Gilvan de Souza/ CRF)

Além de se colocar à disposição da Chape para a reestruturação do clube, ao longo desses dias que sucederam o acidente, o Fla realizou homenagens nos treinos, nas redes sociais e ainda declarou que a sala de imprensa do novo módulo profissional do Ninho do Urubu terá o nome do jornalista Victorino Chermont, também falecido no voo.

Relembre:

Flamengo faz um minuto de silêncio antes do treino no Rio

Fla dá o nome de Victorino Chermont à sala de imprensa do novo Ninho

“São singelas as homenagens principalmente na sala de imprensa, mas justas. Muito pequena em relação a essa tragédia e o que gostaríamos era nem estar aqui hoje, ninguém tem condições de trabalhar. Quando nos reunimos com nossos atletas para a retomada dos nossos trabalhos foi muito doloroso, muito difícil”, completou o dirigente.

Apesar do clima pesado que se instaurou no mundo do futebol, o ano ainda não acabou para o Flamengo. O time carioca ainda entra em campo no próximo dia 11, diante do Atlético-PR, pela última rodada do Campeonato Brasileiro, em busca de terminar a competição no segundo lugar.