Diretoria do Fla expõe comissão técnica mesmo após ouvir de médico que Conca não jogaria em alto nível

Diretoria do Fla expõe comissão técnica mesmo após ouvir de médico que Conca não jogaria em alto nível

Além de aconselhar o Conselho Diretor do Flamengo a não contratar Conca ano passado, como o Jogo Extra revelou terça-feira, o chefe do departamento médico do clube, Márcio Tannure, reuniu os vice-presidentes nos últimos meses para informar que o argentino não estava no nível dos demais atletas no ano. A cobrança pela utilização do jogador não era só da torcida, mas também interna.

O Rubro-Negro respondeu à informação do veto a Conca com uma nota oficial em que não se aprofunda no tema, apenas diz que sua contratação foi mais uma baseada em “critérios técnicos”. No comunicado, o Flamengo afirma que o “risco” foi assumido por todos os funcionários do departamento de futebol, embora a vinda de Conca tenha sido decidida diretamente pelo vice de futebol da época, Flávio Godinho — o que acabou expondo os profissionais do clube. Em prisão domiciliar, o ex-dirigente não pode dar explicações, mas procurou a diretoria para tentar amenizar sua situação. À noite, o presidente Eduardo Bandeira de Mello se manifestou:

— Não houve veto ou recomendação negativa. O chefe do departamento médico esteve em Miami examinando o Conca, o Conca veio, se recuperou e está entregue ao departamento médico há muito tempo. Já fez duas partidas. A presença dele em campo ou não é uma decisão exclusivamente da comissão técnica.

Ainda fora da relação de jogos do Fla, o argentino chegou ao Rio cercado de expectativa, com direito a invasão da torcida ao aeroporto, apesar da previsão pessimista. Trazido a baixo custo, ele teria também a missão de alavancar o programa de sócio-torcedor, divulgar a estrutura do CT e, de quebra, provocar o Fluminense.