Atual vice-presidente de finanças, Claudio Pracownik tem grandes chances de ser o candidato do presidente Eduardo Bandeira de Mello. Em entrevista ao Mundo Rubro-Negro, o discurso, que antes era evitar falar sobre a candidatura, mudou para estar à disposição de Bandeira “é uma possibilidade que posso avaliar se for para ajudar o clube”. O nome também agrada a diferentes correntes do clube, facilitando uma possível aliança.

Veja também: ​Alternativa inédita surge como opção para receber clássico Fla-Flu

O resultado de campo vai ser decisivo para a eleição em dezembro, mas não vai ser tudo. O sócio vai votar na continuidade do trabalho, porque sabe que o trabalho está sendo feito e que os sucessos são resultado disso e não voos de galinha. Vamos ter um candidato de situação, que vai sair do nosso grupo, que está unido. Temos um corpo de executivos de altíssimo nível. E isso vai pesar quando o eleitor do Flamengo vai definir se quer a continuidade desse projeto ou voltar para situações desagradáveis – disse Bandeira.

No entanto, há controvérsias sobre o discurso de união da base de apoio da SóFla. É sabido que o relacionamento  com o vice-presidente geral Mauricio Gomes de Mattos não é dos melhores. Mauricio é um dos possíveis candidatos na eleição.

Caso Pracownik seja candidato, uma possível aliança pode ocorrer entre Wallim Vasconcellos, Rodolfo Landim e Luiz Eduardo Baptista, que já teve desavenças com Bandeira. Como resultado, uma divisão da chapa azul original e a fundação da chapa verde.

- Eu vejo as pessoas com essa visão (de união) e essa esperança. Há passos para serem dados nesse sentido. Ficaram rancores. Mas os rancores são pessoais. Se um rancor pessoal for mais importante do que o futuro melhor do clube, nós estaríamos colocando os interesses pessoais acima do clube. Nós temos que ter essa capacidade de trabalhar pelo bem do Flamengo e coloca o interesse maior à frente dos sentimentos – afirmou Pracownik ao Mundo Rubro-Negro.

Mauricio Gomes de Matto é outro nome que desponta como possível candidato que agrada aos diferentes grupos. Sem negar a possibilidade de concorrer, costuma dizer que “está preparado para servir ao Flamengo de porteiro a presidente”. 

- É cedo para falar em candidatura. Como diz o Angelim, a minha vaidade é ver o Flamengo vencer. Penso que quem tem que escolher candidato são os grupos. Deles, vão sair os candidatos. Ninguém é candidato de si próprio. Se acharem que posso unir e alcançar resultados no Flamengo, vou estar à disposição – afirmou Gomes de Mattos.