• BICAMPEÃO DA LIBERTADORES
  • HEPTACAMPEÃO BRASILEIRO

Documentário “Mosaico”, sobre Diego Ribas, bate 140 mil visualizações em 13 horas

Diego Ribas já é febre nas redes sociais. O meia lançou um documentário de nome “Mosaico” nesta sexta-feira (23). O longa analisa a passagem do camisa 10 pelo Flamengo, e culmina no ano vitorioso de 2019, com histórias e curiosidades sobre a temporada mágica. Além disso, a temporada marcou um dos principais desafios de sua carreira: a lesão provocada por um carrinho sofrido na partida com o Emelec, pela fase oitavas de final da competição mais importante do continente.

Desde o lançamento, o canal do meia no Youtube decolou, atingindo 140 mil vizualizações em quase 12h. Marcas expressivas para um documentário que emocionaria todos os rubro-negros. Não foi o primeiro, e nem será o último longa metragem relacionado a essa definição épica, que entrou para a história do futebol de sul-americano de clubes.

A conquista tão sonhada da copa, após 38 anos de espera, é, sem dúvida alguma, o grande momento do jogador com a camisa do Flamengo. Não só pelo fim da seca, mas também por toda a trajetória de Diego com a camisa do Flamengo. A chegada em 2016 com esperança de título, os decepcionantes anos de 2017 e 2018, culminaram em grande emoção na conquista épica.

Vale frisar também que o jogador é muito querido por seus companheiros, já que a obra conta com diversos depoimentos de atletas que também participaram da conquista, como Bruno Henrique e Filipe Luís. Por ser mais experiente, Diego exerce papel de grande importância na gestão do elenco, ponto abordado pelo depoimento do lateral esquerdo, que também foi companheiro no Atlético de Madri: “Vamos lá, aqui vai todo mundo junto. Nós vamos virar esse jogo!”

Dito isso, é nítido que a função vai além dos gramados, mas dentro de campo ele também não decepcionou. Entrou forte desde a volta de sua lesão, que aconteceu contra o Grêmio, já na fase semifinal, com um chute muito perigoso defendido por Paulo Victor. Seria o 6 a 0. Entretanto, o melhor ficou para o final. Com grande ação defensiva, Diego começou a jogada do primeiro gol, e deu o lançamento (que o jogador brincou, dizendo que foi “chutão”) para o gol que exorcizou todos os fantasmas da nação rubro-negra.

 

Publicado em colunadofla.com.