Maiores interessados em jogar no estádio, Flamengo e Fluminense, porém, assumiram posturas diferentes em relação ao assunto. O Rubro-Negro tem contrato com o consórcio Maracanã até o final de 2016 e vem buscando apoiar a empresa que entende ser a melhor para a administração do estádio na sequência, no caso a CSM. Para a diretoria do Fla, LU Arenas não corresponde nos quesitos transparência e credibilidade.

No que diz respeito ao Tricolor das Laranjeiras, a serenidade é maior. O Flu buscou não tomar partido de nenhuma das concorrentes, uma vez que seu contrato (válido por mais 32 anos) terá vigência independentemente de quem entrar:

"Temos um contrato extremamente vantajoso que por enquanto está de pé. O consórcio Maracanã segue lá. Qualquer parceiro, desde que respeite os interesses do Fluminense, respeite a grandeza do clube, pode vir a estar conosco. Não existe porta fechada. Flu está sempre atento ao que atende o interesse do clube. Esperamos continuar com o Maracanã, com o nosso contrato, e eventualmente negociando um ou outro ponto que seja interessante para ambas as partes", pontuou o presidente recém-eleito, Pedro Abad, ao site ​UOL Esporte.

​​