| Futebol

E se fosse diferente? A imaginação e Fla-Flus que poderiam mudar histórias

No futebol, o "se" não entra em campo. Mesmo assim, pensamos em várias lances de Fla-Flu que, se diferentes, poderiam ter mudado a história das duas equipes

Separadas, "e" e "se" são duas palavras que não ameaçam ninguém. Mas unidas, elas tem o poder de agoniar os pensamentos de muita gente. "E se?". Não temos como saber o quão diferentes seriam várias histórias, mas nunca é tarde para o exercício. Desde 1912, o Fla-Flu é um dos maiores clássicos do Brasil. A rivalidade surge a partir de uma cisão de nove ex-jogadores do Fluminense que deixam o clube e fundam o departamento de futebol rubro-negro. Desde então, foram 319 jogos, 880 gols, 11 finais e muita história. Que poderia ser diferente, se...

O GloboEsporte.com levantou partidas históricas entre os dois rivais. Nelas, lances capitais estão na memória, como o gol de barriga de Renato Gaúcho em 1995 ou o pênalti de Cássio em 2001. Mas a memória também esquece coisas importantes, e estamos aqui para lembrar. Separamos alguns momentos que, caso tivessem acontecido - ou não -, poderiam modificar para sempre a história do clássico. Escolhemos oito Fla-Flus: quatro histórias modificadas para cada lado. 

"E se a história fosse diferente" pró-Flamengo

1983 - E SE RAUL DEFENDESSE AQUELE CHUTE DO ASSIS?

O Flamengo segurou o 0 a 0 por 90 minutos, mas aos 45 da segunda etapa, Assis invadiu a área e deu o título ao Fluminense, se eternizando como "Carrasco" rubro-negro. Mas e se Raul defende aquele chute, que passou por baixo de suas pernas? 



 Se Raul pegasse aquela bola, o Flamengo seria campeão carioca em 1983. Mesmo sem Zico, vendido à Udinese logo após o título brasileiro daquele ano. Seria a primeira vez na história que o clube conquistaria as duas taças no mesmo ano, fato que só viria a ocorrer em 2009. E demonstraria bem rápido que nem só do Galinho se fez aquele timaço.

1984 - E SE O FLAMENGO JOGASSE BOLA NA FINAL DO CARIOCA?


No ano seguinte, a história se repetiu: gol de Assis na segunda etapa e festa do título nas Laranjeiras e vitória por 1 a 0 em atuação abaixo da média do time rubro-negro. Mas e se o Fla tivesse jogado bola naquele jogo?



 Se a atuação do time rubro-negro  fosse diferente naquele jogo, com o ainda jovem Bebeto e o experiente Nunes aterrorizando a zaga do Flu e Tita mantendo as boas atuações como a referência do meio campo após a saída de Zico, o Fla desbancaria o então campeão brasileiro e impediria o bicampeonato do rival. E talvez Assis não seria conhecido como "Carrasco"...

1995 - E SE RENATO GAÚCHO NÃO FIZESSE O GOL DE BARRIGA?

O Fla-Flu de 1995 é, sem sombra de dúvidas, um dos maiores jogos entre as duas equipes na história do clássico. O gol de barriga de Renato Gaúcho é o lance mais famoso da rivalidade. Mas e se isso não tivesse acontecido?



 Se Gelson e Fabinho fechassem o ângulo do astro tricolor dentro da área enquanto Aílton cortava Charles Guerreiro e batia cruzado, a bola iria para fora ou seria cortada pela defesa. O título seria a consagração do projeto de Kleber Leite. Em 1995, o Flamengo vivia seu centenário, e o ex-radialista formaria o "melhor ataque do mundo": Sávio, Romário e Edmundo. 

A taça seria a primeira do Baixinho com a camisa rubro-negra, e ele seria, de fato, o Rei do Rio - no lugar de Renato e Túlio, centroavantes rivais à época. O "sem ter nada" não existiria, tampouco a sina de perder sempre para o Flu nos minutos finais. 

2012 - E SE CLEBER SANTANA NÃO PERDESSE AQUELE GOL?

Em 2012, o Fluminense não deu chance para ninguém em gramados cariocas. Uma conquista avassaladora no Estadual, com grande atuação na final da Taça Guanabara e goleada sobre o Botafogo no Engenhão na finalíssima. No Brasileirão, tetracampeão com três rodadas de antecedência, em grande campanha sob o comando de Abel Braga. O Fla vinha claudicante naquele ano. Sequer disputou final de turno no Carioca e era apenas o 11º colocado do Campeonato Brasileiro quando recebeu o então líder Flu no Engenhão. 



O gol de voleio de Fred - prometido em sua apresentação no clube, em 2009 - botou o Fluminense na frente logo no início do jogo. A equipe de Abelão, entretanto, sofreu forte pressão durante todo o jogo, mas contou com a falta de pontaria do ataque rubro-negro para sair com a vitória, abrir seis pontos do Atlético-MG e caminhar a passos largos para o título. Mas e se Bottinelli, herói no Fla-Flu do ano anterior e cheio de moral para cobrar o pênalti, não perde a penalidade e o Fla vira o jogo?



O Fluminense seguiria com três pontos de diferença para o Galo, é bem verdade, mas iria sem confiança para o clássico da rodada seguinte com o Botafogo. E poderia perder a liderança, já que o time mineiro, no Independência, enfiou 6 a 0 no Figueirense. O Flu poderia perder o tetra, e a culpa cairia no colo de Abel, que mexeu mal naquele jogo tirando Thiago Neves, Wellington Nem e Fred e recuando o time. Já o Fla colocaria água no chope tricolor e entraria na briga por uma vaga no G-4. E aí, em 2013, poderia fazer companhia ao Flu na Libertadores.

"E se a história fosse diferente" pró-Fluminense

1996 - E SE O FLU VENCESSE AQUELE CLÁSSICO DOS DESESPERADOS?

Em 1996, a história era bem diferente do ano anterior. O Fluminense vivia grave crise financeira e não manteve a força do time que quase fez a final do Campeonato Brasileiro de 1995 após o épico título carioca. Depois de um ano decepcionante em seu centenário, o Flamengo tinha uma grande equipe e havia conquistado o Cariocão daquele ano. 



Desesperado, o Tricolor dependia de uma vitória no clássico da 21ª e antepenúltima rodada para sair da zona de rebaixamento. O problema é que o Fla não deu chance: 3 a 1 inapelável, em grande atuação de Sávio no Maracanã. Mas e se o Flu vencesse aquele jogo?

Uma vitória tiraria o Tricolor da zona de rebaixamento daquele campeonato, que depois ficou marcado pelo escândalo de arbitragem envolvendo o presidente da Comissão de Árbitros, Ivens Mendes, o Atlético-PR e o Corinthians, o "1-0-0". Nenhum time foi rebaixado neste ano. Mas só o Flu carrega a mácula da virada de mesa. O que não ocorreria se o time liderado por Renato Gaúcho, agora técnico, se salvasse em campo do descenso e a cena do presidente Álvaro Barcellos estourando champanhe nas Laranjeiras também nunca tivesse acontecido.

1997 - E SE LEANDRO ÁVILA NÃO FOSSE EXPULSO?

O ano de 1997 é ainda mais trágico para a torcida tricolor. Após 25 rodadas, o Flu não aprendeu a lição de 1996 e terminou mais uma vez na zona de rebaixamento, amargando o descenso para a Série B. O Fla-Flu daquele Brasileirão foi na 17ª rodada, sete jogos antes do fim da primeira fase. Ali, o Tricolor era o primeiro fora da zona de rebaixamento, e o Flamengo, o último dentre os oito que se classificariam para a fase seguinte. 

O Rubro-Negro venceu de virada: 2 a 1, em jogo com um cartão vermelho para cada lado. Mas e se Leandro Ávila não fosse expulso?



 Se a polêmica decisão do árbitro Flávio de Carvalho de expulsar o volante tricolor no primeiro tempo, o Flu poderia ter vencido aquele jogo. A equipe sairia na frente aos 43 minutos, em gol contra de Luiz Alberto e poderia ser capaz de segurar a pressão do rival. Uma vitória faria o Fluminense subir dez posições e entrar na briga pela classificação para a segunda fase, ao invés de se preocupar com o rebaixamento, que acabou acontecendo. O time não jogaria a Série B em 1998 e a Série C de 1999 seria apenas um devaneio. 

2001 - E SE O PÊNALTI DE CÁSSIO NÃO ENTRASSE?

O ano de 2001 é especial no coração dos rubro-negros. A equipe conquistou o tricampeonato carioca em uma decisão épica, o terceiro capítulo da trilogia Flamengo x Vasco na final do Campeonato Carioca. As estrelas cruzmaltinas ganharam quase tudo naquela época - Libertadores, Mercosul e Brasileirão -, mas não conseguiram bater o Fla na disputa regional. 

O time da Gávea chegou à final do Estadual após levar a Taça Guanabara em disputa de pênaltis com o Fluminense. Na quarta cobrança, Murilo pulou para a esquerda e pegou o pênalti de Cássio. Pegou? Nada. A bola quicou no canto oposto e voltou para dentro das redes, em lance inacreditável. Na série seguinte, o Flamengo saiu com a vitória e o título. Mas e se Cássio perde aquele pênalti?



A final do Carioca daquele ano teve o gol de falta de Petkovic aos 43 minutos do segundo tempo, um lance que o torcedor rubro-negro lembra com enorme carinho. Mas se Cássio perdesse aquele pênalti, não haveria o "gol do Pet". O sérvio poderia não ter virado ídolo. E quem sabe, não voltasse em 2009 para ser hexacampeão brasileiro. Imagine só: uma cobrança fracassada e dois títulos a menos. Para piorar, o Fla perderia a chance do tri e veria o Fluminense, voltando de "viagem" às divisões inferiores, vencendo mais uma final entre os dois.

2004 - E SE KLEBER DEFENDESSE O CHUTE DE ROGER GUERREIRO?

Em 2004, o presidente da Unimed, Celso Barros, resolveu assumir um cargo oficial na diretoria do Fluminense, seu clube do coração. E em sua primeira ação como vice-presidente de futebol foi montar sua versão da "Máquina" Tricolor. Trouxe Romário de volta do Catar, tirou Edmundo do Vasco, repatriou Ramon, que estava no Japão, e conseguiu mais um empréstimo do ídolo Roger junto ao Benfica. O Flu era o franco favorito ao título carioca.

Só que havia o Flamengo pela frente. Na fase de grupos, jogaço que terminou em 4x3. O Tricolor tinha brigas internas, e o meia Roger chegou a atuar em alguns jogos com a camisa 3, deixando a 10 em disputa entre Edmundo e Ramon. Mas foi outro Roger que decidiu: o lateral do Flamengo, que viraria algoz tricolor a partir dali. O lance do gol da vitória rubro-negra veio em falha geral da defesa tricolor. Mas e se aquela bola não entra?



O chute fraco de Roger - hoje naturalizado polonês e chamado de Roger Guerreiro - cruzou a linha vagarosamente, entrando quase que "de favor" no gol tricolor. Se essa bola não entrasse, o Flu poderia sido campeão com folga daquele Cariocão. Na Taça Rio, o Tricolor entraria para jogar contra o Vasco podendo ser campeão sem jogar a final, unificando turno e returno. Chegaria no Brasileirão embalado e com tantos craques, seria candidato ao título, que poderia ser o primeiro de quilate nacional da parceria Fluminense e Unimed.

* Estagiário, sob supervisão de Janir Junior 

Fonte: http://globoesporte.globo.com/futebol/brasileirao-serie-a/noticia/2016/10/e-se-fosse-diferente-imaginacao-e-fla-flus-que-poderiam-mudar-historias.html

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.