No basquete da NBA, muitas equipes são formadas em cima de uma grande estrela (chamada de "jogador da franquia") e depois reforçadas com nomes que se enquadram na categoria de "jogadores de rotação", ou seja, aqueles que dão sustentação para que a estrela brilhe num time que dê liga. No Flamengo das estrelas Guerrero e Diego, o mesmo vem acontecendo.

A consistente vitória sobre a Chapecoense por 3 a 1 na Arena Condá, somada ao bom momento em que se encontra no Brasileirão, mostrou que o Rubro-Negro aos poucos tem conseguido ajustar e utilizar bem todas as peças do seu farto elenco. Até mesmo os contestados Márcio Araújo e Pará vem participando ativamente de lances cruciais nas últimas partidas e ganharam as suas respectivas posições.

O banco de reservas também deve ser mencionado. Sempre que solicitados, Damião, Mancuello, Alan Patrick, Vizeu e Cuéllar dão conta do recado e não deixam o nível de atuação reduzir. Para a felicidade do técnico Zé Ricardo:

"É preciso ter um elenco com opções para disputar competições importantes. Não existe essa de time alternativo ou reserva. Todos fazem parte de uma engrenagem e escolhemos os jogadores de acordo com a necessidade da partida. A diretoria trabalhou bastante para nos dar as opções", avaliou o comandante.

Com 40 pontos conquistados, o Flamengo é o vice-líder do Campeonato Brasileiro, apenas três atrás do Palmeiras.