| Futebol

Elias, do Galo, se emociona ao relembrar homenagem da torcida do Flamengo ao seu filho Davi, em 2013

flameng - Elias, do Galo, se emociona ao relembrar homenagem da torcida do Flamengo ao seu filho Davi, em 2013

O título da Copa do Brasil, conquistado pelo Flamengo em 2013, continua vivo na memória do volante Elias, um dos jogadores mais importantes do elenco rubro-negro na época. Atualmente no Atlético-MG, Elias relembrou, em entrevista ao canal Fox Sports, com muita emoção do momento em que a torcida do Fla homenageou o filho dele, Davi, na partida contra o Goiás, no segundo jogo da semifinal, no Maracanã. O menino, que não tinha nem dois anos, estava se recuperando de uma pneumonia.

Confira abaixo, em trechos.

O CASO

“Eu não esperava, velho... Foi assim... O meu filho teve uma pneumonia e teve que ficar internado no CTI do hospital. E eu estava jogando as finais da Copa do Brasil, tinha acabado de enfrentar o Cruzeiro, eliminar o Cruzeiro. Tinha feito um gol e tudo. E a fase seguinte era contra o Botafogo. Foi nesta fase que o meu filho ficou internado. O primeiro jogo eu não joguei, estava suspenso. No segundo jogo eu joguei e meu filho estava internado. E ninguém sabia do que estava acontecendo. O pessoal me viu meio triste. Eu era um dos líderes, sempre falante, brincava e colocava música no vestiário... e nesse dia eu estava triste. Ninguém sabia, só eu. Não quis contar. Eu acho que esse era um problema meu e eu que tinha que enfrentar. Deixei nas mãos de Deus. Não quis interferir psicologicamente na concentração da equipe. O jogo foi numa quarta, no domingo ele ficou internado”.

PARTIDA CONTRA O BOTAFOGO

“Quando cheguei no vestiário do Maracanã, um dia antes eu estava no hospital com ele. Dormi lá. Era pequeno, tinha nem 2 anos. E aí, quando chegou no vestiário, me senti um merda. Porque... Futebol é importante, é... mas eu estava com o meu filho no CTI. Me desesperei, botei a mão na cabeça e me perguntei “O que estou fazendo aqui? Meu filho tá lá, vou embora...” Comecei a chorar, os moleques não entenderam nada. Foi aí que eu falei a situação, no vestiário, antes do jogo. Aí os caras “Não, tá maluco... você tem que jogar... a gente precisa de você... você tem que entrar em campo pelo menos...” Aí eu falei “Eu não quero, velho... não quero estar aqui... eu não consigo... vou atrapalhar, não vou ajudar”... E aí eles disseram que correriam por mim”.

“Quando a gente chegou com o ônibus, passamos pela zona mista... Quando cheguei no vestiário, vi minha camisa... lembrei do meu filho na hora. Ele via qualquer coisa preto e vermelho, falava Flamengo. Ele lembrava. Já me deu o desespero, pessoal tentou me acalmar e tal. Os moleques me convenceram e eu entrei em campo, mas... contra o Botafogo, foi o meu pior jogo pelo Flamengo. Corri os 90 minutos igual a um louco nesse jogo. Quem lembra, sabe que eu joguei em uma função diferente. Mais por causa disso, a cabeça tava longe. Então, eu estava correndo. Marquei o lateral-esquerdo do Botafogo”.

REAÇÃO DA TORCIDA

“O pessoal soube disso, do que aconteceu. A torcida soube. Eles começaram a se manifestar na Internet. O primeiro ato foi trocar a foto do perfil no Facebook pela foto do meu filho... E, pra mim, tá louco (choro). Só de lembrar disso... Fui fazer o primeiro jogo contra o Goiás, pela Copa do Brasil, fora... a gente ganhou... e no jogo da volta eles lançaram a campanha. Ao invés de cantarem o meu nome, cantaram do meu filho (choro). Isso vai ficar marcado para o resto da minha vida, da minha família inteira”.

“O pessoal acha que a gente é super herói, mas a gente é ser humano.. por trás do cara que está vestindo o uniforme, existe toda uma vida que qualquer pessoa tem. De filhos, de brigas, separação, discussão com namorada... e isso você tem que, de alguma forma, deixar tudo fora de campo para que você entre e tente fazer tudo o que treinou durante a semana. Tem que deixar de lado. Mas no dia do Botafogo eu não consegui”.

PARTIDA CONTRA O GOIÁS

“E no dia que eles cantaram o nome do meu filho... Eu pedi a Deus que eu pudesse focar apenas na partida. Tipo, na hora que eles cantassem o nome do meu filho, que não desconcentrasse. Porque eu passei a noite toda chorando e pedindo para Deus... Meu filho já estava bem, nesse dia do jogo, tava em casa... mas eu sabia que ia me emocionar muito com o que a torcida do Flamengo fez. Procurei apenas focar no jogo e esquecer tudo. Não se dava, mas eu joguei bem. Fiz até gol... só que na hora do gol, eu desabei... aí eu lembrei, fiz a homenagem pra ele.. foi até o grande Luis Roberto que narrou o jogo e na hora ele fala “Gol do Davi”. Quando vejo isso na Internet já começo a chorar na hora. Por toda a situação que envolveu, por tudo o que torcida do Flamengo fez por mim”.

Fonte: https://extra.globo.com/esporte/flamengo/elias-do-galo-se-emociona-ao-relembrar-homenagem-da-torcida-do-flamengo-ao-seu-filho-davi-em-2013-21950475.html

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.