Entenda quais os desafios do Fla na fase de grupos da Libertadores

Entenda quais os desafios do Fla na fase de grupos da Libertadores

Ninguém no Flamengo esconde que o grande projeto de 2018 é voltar a figurar entre os melhores da Copa Libertadores, competição que o Rubro-Negro não sabe o que é conquistar desde 1981 - sua única final e conquista. E nesta quarta-feira, o Fla abre seu caminho na principal competição de clubes da América do Sul, diante do River Plate (ARG), no Nilton Santos. No caminho, para superar o trauma de seguidas eliminações de forma precoce, os carioca ainda terão Santa Fé (COL) e Emelec (EQU), compondo o grupo 4. Veja o que espera o Rubro-Negra nessa caminhada.

O QUE ESPERAR?

O Flamengo entra nesta Libertadores com um elenco recheado de estrelas. Nomes como Everton Ribeiro e Diego Alves são apostas, que já estavam no clube no ano passado, mas que não chegaram ainda na Libertadores. Além deles, o grande reforço é Henrique Dourado. Artilheiro do último Brasileiro, o Ceifador chega como esperança de gols para a equipe na competição.

No banco de reservas um velho conhecido da torcida e própria Copa Libertadores: Paulo César Carpegiani. Trinta e sete anos depois, o comandante retorna para  tentar levar o Rubro-Negro ao bicampeonato continental. Era ele que comandava a equipe que faturou a taça em 1981.

Outro ponto a se destacar é a manutenção da base do ano passado. Os jogadores questionados pela torcida, como Márcio Araújo, Rafael Vaz e Alex Muralha, já não fazem mais parte do elenco. Chegaram, além do Ceifador, o colombiano Marlos Moreno e o goleiro Julio César. O ídolo, contudo, sequer foi inscrito na competição.

PARA SE PREOCUPAR

Apesar do forte elenco, o Flamengo ainda não conta com uma defesa que faça a Nação dormir tranquila. Veterano, Juan é uma incógnita, já que não se sabe quantos jogos ele pode jogar. Réver e Rhodolfo possuem atuações regulares, mas também não considerados os zagueiros do sonhos.

Pesa contra, também para os flamenguistas o péssimo retrospecto na competição, em especial nos últimos anos. Nas edições de 2012, 2014 e 2017, o Flamengo sequer passou da fase de grupos e o trauma da torcida está muito vivo na memória. Além disso, o Fla é recordista entre os clubes brasileiros de eliminações na primeira: são cinco no total.

Para completar, as duas primeiras partidas do Flamengo em casa, contra River Plate e Santa Fé serão de portões fechados, punição imposta pela Conmebol devido aos incidentes provocados pela torcida na final da Copa Sul-Americana, do ano passado. A torcida fará falta neste início.

A ESCALAÇÃO

Carpegiani retornou ao Flamengo e logo foi impondo sua forma de jogar. Com o novo treinador, o Flamengo atua no 4-1-4-1. com uma linha consistente de quatro meio campistas, que se revezam nos flancos e centralizados. Cuéllar - suspenso dos dois primeiros jogos - é o volante fixo.  Sem ele, Jonas será titular diante do River Plate, nesta quarta feira.

TABELA DE JOGOS
28.01 - Flamengo x River Plate (ARG) - Nilton Santos
​14.03 - Emelec (EQU) x Flamengo - George Capwell
​18.04 - Flamengo x Santa Fe (COL) - Maracanã
​25.04 - Santa Fe (COL) x Flamengo - El Campín
​16.05 - Flamengo x Emelec (EQU) - Maracanã
​23.05 - River Plate (ARG) x Flamengo - Monumental de Nuñez

OS RIVAIS

RIVER PLATE (ARG)
"River não está passando por uma boa performance de futebol da era
Gallardo. Jogar a Libertadores dá um ânimo a mais, por ser uma competição que motiva e muito para o treinador e seus jogadores. O ponto fraco é a falta de criação de jogo, que não vive grande momento. É um grupo muito difícil, onde Emelec e Santa Fé podem complicar também. A estreia contra o Flamengo é decisiva, porque não se sabe o que esperar. River pode perder por 3 a 0, como pode vencer igualmente".
Por Eros Ledesma repórter da Tablon Radial

Número de participações na Libertadores: 34
Títulos: 3
Finais: 5
Estádio/capacidade: Monumental de Nuñez (61 mil pessoas)
Cidade-sede: Buenos Aires
Altitude: 25m
Distância e tempo de voo partindo do Rio de Janeiro: 2.640km / 3 horas (aproximadamente)

EMELEC (EQU)

"Emelec manteve praticamente a mesma base que o deixou o campeão no ano
passado, com duas mudanças. Na defesa Marlon Mejía ao invés do peruano
Christian Ramos e no meio-campo Pedro Quiñónez que substitui Fernando
Gaibor, destaque da equipe. Sua maior força está no ataque, onde seu máximo exponente é o goleador Bryan Angulo e seu companheiro Ayrton Preciado é um jogador que desequilibra e um dos melhores no último ano""
Por Christian Leo, repórter da Radio Sucre de Guayaquil 

Número de participações na Libertadores: 77
Títulos: 0
Finais: 0
Estádio/capacidade: George Capwell (40 mil pessoas)
Cidade-sede: Guayaquil
Altitude: Nível do mar
Distância e tempo de voo partindo do Rio de Janeiro: 6.3349km / 6 horas (aproximadamente)

SANTA FE (COL)
"Todos os anos esperamos um Santa Fe forte na Libertadores. Já chegou até nas semifinais, mas ainda precisa mais. Está entre os principais da Colômbia hoje e precisa de uma campanha convincente. Pegou um grupo para mostrar seu valor, com times como Flamengo e River Plate. Acho que pode surpreender. Vencer no El Campín (estádio deles) não será moleza. Os jogos fora da Colômbia que serão decisivos"
Por Paco Vivar, repórter da Rádio Colorada Santa Fe

Número de participações na Libertadores: 12
Títulos: 0
Finais: 0
Estádio/capacidade: El Campín (48 mil pessoas)
Cidade-sede: Bogotá
Altitude: 2.640m
Distância e tempo de voo partindo do Rio de Janeiro: 4.537km / 6 horas (aproximadamente)