Em jogo, duas posições. O treinador não parece ter dúvidas de que ​Everton, pela esquerda, e Éverton Ribeiro, na direita, são, atualmente, os donos das vagas. O primeiro é o jogador mais constante do setor, tendo marcado inclusive um belo gol no último Fla-Flu (o empate em 1 a 1 acabou deixando o Rubro-Negro de fora da final da Taça Rio, segundo turno do Campeonato Carioca). Já o seu companheiro não consegue render o futebol esperado e, mesmo assim, se mantém intacto. Na atual temporada, só teve um desempenho superior quando atuou mais recuado.

Por isso, a cada aparição dos reservas a discussão se impõe. Vinicius Junior, autor de seis gols em 13 partidas, sendo dois na virada diante do Emelec (2 a 1), pela Libertadores, pede passagem toda vez que pinta em campo. Geuvânio, que vinha de um ostracismo, marcou duas vezes em 15 minutos frente à Portuguesa e, no clássico frente ao Tricolor, sequer ficou como opção - foram apenas cinco jogos em 2018. Já o colombiano Marlos Moreno vive a situação mais peculiar. Emprestado pelo Manchester City, não é relacionado desde a derrota com os reservas para o Flu, no final de fevereiro. Se Carpegiani segura suas convicções, a torcida não tem tanta certeza assim de que o comandante está fazendo as melhores escolhas.