| Futebol

Fio desencapado, melancia e gravidez: Pico respira Fla por virada na vida

À espera do segundo filho, que nasce na quinta-feira, jogador enfrenta dieta rigorosa para recuperar o peso de 2012, conhece novo Maracanã e se encanta com torcida

A contratação de Anderson Pico foi anunciada pelo técnico Vanderlei Luxemburgo durante entrevista coletiva depois de comandar treinamento no Ninho do Urubu. Tratou a situação como a chance de recuperar um jogador no qual acredita pelo talento, mas não deixou de mostrar conhecimento sobre o outro lado do jovem que conheceu no Grêmio há dois anos ao defini-lo como um fio desencapado de 220 volts.

Anderson Pico não foge da expressão dada pelo treinador. Luxemburgo é quem acredita em sua volta por cima, que o jogador vai conseguir se estabelecer no futebol. Ele agradece, mas a chance de vestir a camisa do Flamengo não foi absorvida completamente por quem se sentia abandonado em Porto Alegre. A ficha ainda não caiu.

– Sou (um fio desencapado), sim. Dentro do campo sou mesmo um fio desencapado. Minha vida é jogar no Flamengo. Durmo, acordo e só penso em Flamengo. Sonho com o Flamengo. É a minha vida e da minha família – afirmou Anderson Pico, de 25 anos, ao GloboEsporte.com.

Anderson Pico, Treino Flamengo (Foto: Thales Soares)Anderson Pico treina duro pelo Flamengo para voltar a atuar (Foto: Thales Soares)


Essa motivação vem do nascimento do segundo filho, marcado para quinta-feira. Gabriel é fruto do relacionamento com Fabiana. Pico já é pai de Pedro, de 5 anos de idade. Sua mulher ficou em Porto Alegre, e o jogador já está há um mês longe de casa sem saber se poderá acompanhar os primeiros dias do novo membro da família.

– Minha mulher é minha parceira. São poucas no futebol que você vai encontrar assim. É guerreira mesmo. Na situação ruim nunca me deixou de lado. Sempre me incentiva. Queria estar lá para ver o nascimento. Se o professor autorizar, eu vou. Caso contrário, fico aqui. Ela entende que meu trabalho está em primeiro lugar nesse momento – comentou o jogador.

Estava vendo um jogo do Flamengo e falei com minha mulher que minha oportunidade estava ali. De um dia para o outro, peguei um ônibus e cheguei no Rio".  
Pico, obstinado a voltar a jogar

Para correr atrás de seu objetivo, Pico pegou um ônibus em Porto Alegre, encarou um dia de viagem e se hospedou na casa de um amigo no Recreio. Foi em busca do telefone de Luxemburgo, conseguiu e demorou a conseguir contato. Acompanhando os jogos do Flamengo pela televisão, viu no clube uma esperança de renascer para o futebol depois de deixar o Grêmio e passar por uma série de clubes de menor expressão do futebol brasileiro.

– Estava vendo um jogo do Flamengo e falei com minha mulher que minha oportunidade estava ali. De um dia para o outro, peguei um ônibus e cheguei no Rio. Queria pedir uma oportunidade a ele. como já havia acontecido no Grêmio, onde acabei não me cuidando como deveria. Mandei mensagem, mas ele não respondeu. Fiquei meio assim, mas arrumei uma academia e comecei a treinar das seis da manhã às sete da noite, sem domingo. Queria falar pessoalmente com o Luxemburgo, sem intermediários, sabia que ele gostava disso. Tenho plena consciência do que fiz lá atrás. Consegui falar e deu certo. Está me dando esse voto de confiança num clube como o Flamengo – contou.

Nunca vi nada igual. Uma loucura e com três pontos 
Pico, sobre a torcida do Fla

Um dos problemas enfrentados por Pico no passado foi em relação ao peso. Com uma dieta rigorosa no Flamengo, ele toma seu chimarrão pela manhã, encara saladas e peixe no almoço, fruta, verdura e muita água. À noite, melancia.

– É suco de melancia, melancia com melancia e mais melancia – brincou Pico, que disse estar a três quilos do peso com o qual jogava no Grêmio em 2012, quando era comandado por Luxemburgo.

Domingo, na vitória por 1 a 0 sobre o Corinthians, Pico acompanhou a delegação e esteve no vestiário. Pela primeira vez, assistiu a um jogo do novo clube e ficou impressionado com a torcida e o estádio, onde ainda não havia ido desde a reinauguração.

– Nunca vi nada igual. Uma loucura, e isso com três pontos – disse o jogador, que já teve o nome publicado no Boletim da Federação do Rio com pendência e deve ser regularizado ainda nesta terça-feira, faltando apenas a condição física para entrar em campo.

Além do Maracanã, Pico prefere se manter discreto. Recentemente, parou de treinar dois períodos depois de dias intensos de atividade. Melhor para manter a cabeça apenas no campo e deixar os atrativos fora dele em segundo plano.

– Poderia estar numa situação melhor, mas não me arrependo. Deixei as coisas fora de campo de lado. Se no passado tivesse a cabeça que tenho hoje, com a mentalidade de só jogar futebol, (a história) seria diferente. Vim pensando só nisso, depois penso em desfrutar da praia. Quero conquistar meu espaço com honestidade – comentou.

Nem eu acredito que estou no Flamengo 
Pico, empolgado

Contratado para defender o Flamengo até o fim do ano, Pico já tem a possibilidade de renovação por mais duas temporadas. Para isso, precisará mostrar numa disputa com João Paulo que tem condições de ser lateral-esquerdo do Flamengo. Pouco mais de dois meses para alcançar o seu objetivo.

– Todo jogador quer vestir a camisa do Flamengo, e comigo aconteceu de uma hora para outra. Não posso deixar escapar e vou fazer das tripas coração para dar certo. Vai ser maravilhoso. É uma coisa inexplicável. Tudo ou nada para mim. Estava uma coisa meio chata no Sul, ninguém acreditava mais. Vim para outro estado, outra cultura, e estou me adequando aos treinos que pedem para voltar a minha vida de atleta. Sempre querendo algo mais, sei que vou colher bons frutos – afirmou.

Com o corpo marcado por tatuagens, como uma caveira na mão direita e nomes de seus entes queridos espalhados, Pico precisa arrumar um lugar para o nome de Gabriel. Quem sabe em um outro momento de sua vida.

– É um momento ímpar. Ninguém acredita. Nem eu acredito que estou no Flamengo.

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.