É nesse contexto que o vice-presidente de futebol, Ricardo Lomba, vem se debruçando para planejar os trabalhos. Apesar das dificuldades e da temporada complicada, o dirigente sabe da responsabilidade que tem. Diz estar sendo “perturbado” por resultados melhores e concorda que no Rubro-Negro não há a menor chance de entrar numa disputa sem que esteja sonhando com a taça:

"O Flamengo tem elenco e torcida para entrar em qualquer competição com o objetivo de ser campeão. Não adianta pensar que a meta é a segunda fase da Libertadores. É ser campeão. No Flamengo tudo é superlativo. Como rubro-negro, quero me dedicar ao máximo. Foram dois meses de muito aprendizado, observação e leitura. Quero dar minha contribuição em 2018. Temos a missão única de fazer o Flamengo melhor. Quero que a gente volte a comemorar títulos importantes", projetou em entrevista para ​O Globo.

Lomba é inspetor-chefe da Alfândega do Porto do Rio de Janeiro. Seu nome foi escolhido de um grupo de quatro pessoas estudadas internamente. O perfil sério é o grande cartão de visitas do novo comandante do futebol - que atuava como vice-presidente do Conselho Deliberativo até então e assumiu o cargo em outubro. Antes disso, o presidente do Fla, Eduardo Bandeira de Mello, acumulava as funções do futebol, quando Flávio Godinho, antigo vice, foi preso em janeiro no âmbito da Operação Eficiência, um desdobramento da Operação Lava-Jato.

​​