| Futebol

Fla quer assumir custo para voltar ao Maraca; comitê alerta: "Não é simples"

Bandeira diz que trabalha “discretamente” para jogar ainda em outubro no estádio. Diretor da Rio 2016 lembra pendências: “Se for possível entregar antes, o faremos”

flameng - Fla quer assumir custo para voltar ao Maraca; comitê alerta: "Não é simples"

O contrato da Rio 2016 para administrar o Maracanã vai até o dia 30 de outubro. O comitê, em nota nesta tarde, avisou que não pretende entregar antes o estádio, mas o Flamengo não perde a esperança de jogar antes deste prazo. O presidente Eduardo Bandeira de Mello disse que o clube pode até assumir os custos de operação do jogo para fazer ao menos a partida contra o Corinthians (23 de outubro) no Maracanã. O Fla-Flu do dia 12 pode ser inviável pela plantação de novo gramado, que pode levar 24 dias para ficar pronto.

- Estamos trabalhando discretamente para antecipar nossa volta ao Maracanã. Não queremos brigar com ninguém. Se queremos ser o gestor do estádio nos próximos 35 anos, temos totais condições de assumir os custos e a operação para usarmos o estádio antes do dia 30 (de outubro) – disse Eduardo Bandeira de Mello.

Apesar da disposição do Flamengo, o comitê não quer alimentar expectativa. O diretor da Rio 2016, Rodrigo Tostes, lembrou que não se trata simplesmente de antecipar o retorno das atividades normais do estádio. Há todo um rito que é preciso obedecer – que vai desde laudo de vistoria de entrega, com diversos itens, até a desmontagem de equipamentos e prestação de contas para devolvê-lo à concessionária Odebrecht e ao estado do Rio, poder concedente do Maracanã. Ex-vice-presidente de finanças do Flamengo na primeira gestão de Bandeira, Tostes, que apoiou o candidato Wallim Vasconcellos na última eleição, diz que não há como falar em negociação agora. Mas diz que se for possível antecipar a entrega o fará.

- Hoje, não temos negociação nenhuma. Temos prazo de desmobilização para obedecer, temos que fazer auditoria. Se lá na frente entendermos que é possível antecipar isso, podemos entregar antes. Não queremos ficar com o estádio sem ter necessidade – afirmou Tostes.

O executivo da Rio 2016 explicou que o gramado que será plantado é bem diferente daquele que atendeu os jogos de futebol na olimpíada. Era um tipo de grama com prazo de curta duração. Por isso foi possível a realização de jogos de futebol no estádio poucos dias depois da cerimônia de abertura. A grama que será plantada após a paralimpíada é a que já existia no Maracanã antes dos Jogos – de durabilidade de anos. Esse e outros detalhes podem inviabilizar o retorno do equipamento esportivo antes do tempo previsto em contrato.

- Não é questão de assumir os custos. E se ficar um buraco na arquibancada, quem vai arcar? O Flamengo também? Então, não é simples assim. Queremos e vamos entregar o Maracanã da mesma forma que recebemos. Para que depois da entrega não tenhamos qualquer tipo de ônus, qualquer sanção. Não dá para avaliar agora – afirmou.

Durante o estadual, a Ferj negociou diretamente – e teve participação política da prefeitura e do governo do estado - com a Rio 2016 para que as finais fossem realizadas no Maracanã. O custo de operação caiu de quase R$ 900 mil para R$ 543 mil, de acordo com o borderô divulgado no site da Ferj.

Ao lado do Fluminense, o Flamengo já manifestou interesse em assumir administração do Maracanã caso a devolução da Odebrecht se confirme – e haja novo edital de licitação. Os clubes divergem na gestão compartilhada. O clube da Gávea acenou com exploração comercial de 65% do estádio fora das partidas, com o restante nas mãos tricolores, que não gostou das primeiras conversas.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/futebol/times/flamengo/noticia/2016/08/fla-quer-assumir-custo-para-voltar-ao-maraca-comite-alerta-nao-e-simples.html

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.