Não só o início da temporada foi abaixo da expectativa da torcida (três eliminações - Primeira Liga, Estadual e Copa do Brasil - em sequência) como ao longo dos últimos anos, salvo uma competição ou outra, o Flamengo colecionou resultados aquém da sua consagrada história.

No entanto, a diretoria rubro-negra sempre deixou claro que todo o sofrimento teria uma recompensa vindoura ao final. A conta "atenção à estrutura + abatimento das dívidas" foi gerando maior credibilidade ao clube e, claro, dinheiro para investir no futebol na sequência. Em 2016, com as chegadas de Diego e Leandro Damião, sacramentou-se aquilo que parecia o caminho natural um ano antes, com a vida de Paolo Guerrero: o Flamengo entraria de vez na lista dos grandes elencos do Brasil.

Muito por conta desses fatores, a equipe segue firme e forte na luta por dois títulos de peso no segundo semestre. Com a classificação bem encaminhada para as quartas de final da Copa Sul-Americana (mesmo sem utilizar boa parte dos titulares), vem numa crescente impressionante na vice-liderança do Brasileirão. Com 50 pontos, já fez melhor campanha que no campeonato inteiro do ano anterior.  Neste domingo, mais um teste de fogo: o Rubro-Negro enfrenta o Cruzeiro de Mano Menezes, pela 27ª rodada do Campeonato Brasileiro, mirando a liderança e, claro, uma moral ainda maior para coroar o trabalho realizado.