As situações distintas, tanto de Jefferson, quanto de César, chamam a atenção para o clássico deste sábado. De um lado o ídolo alvinegro, agora bastante criticado, do outro um jovem que parecia esquecido e ressurgiu nos últimos meses. A semifinal da Taça Guanabara pode ser um divisor de águas na trajetória dos dois, seja para o bem ou para o mal.

O caso de Jefferson é de certa forma polêmico. Depois de retornar de uma longa lesão, parece que nunca mais foi o mesmo. A eliminação precoce para a Aparecidense na Copa do Brasil também vem pesando o ambiente para o arqueiro, até outro dia incontestável em General Severiano: 

"O que mais me doeu foi ver a torcida que amo de paixão duvidando do meu caráter. (devido à repercussão de uma uma foto mostrando o goleiro sorrindo após o vexame). É igual a sua esposa e seu filho duvidarem de você. Mas também sei que foi uma minoria. Nós não dormimos direito desde então. A gente sente muito, lamenta muito. Temos que levantar a cabeça porque temos jogos importantes pela frente", comentou.

Já pelo lado rubro-negro, só há motivos para sorrir. São cinco jogos oficiais sem levar gol nesta temporada, recorde absoluto do clube em toda a sua história. E muito disso vem passando pela boa fase de César:

"Eu consegui me sair bem no fim do ano passado e estava pronto para quando surgiu a oportunidade. Agora em 2018, também começo bem e confiante, espero que o Flamengo faça uma grande temporada e brigue por todos os títulos que disputar. Quero ajudar muito esse clube", projetou o jovem goleiro.