O Flamengo não precisará mais deixar de treinar e jogar pelos próximos 15 dias, depois que a decisão do Tribunal Superior do Trabalho, deste domingo, manteve o jogo contra o Palmeiras.

Com a derrubada da liminar obtida pelo Sindicato dos Atletas de Futebol do Rio no Tribunal Regional do Trabalho, a decisão do juiz Filipe Olmo se torna inválida, segundo confirmou o presidente do sindicato, Alfredo Sampaio.

Desta forma, o Flamengo se reapresenta nesta segunda-feira de olho no jogo de quarta da Libertadores, contra o Independiente del Valle, no Maracanã.

Há expectativa para o retorno dos sete jogadores que contraíram a Covid-19 no Equador no dia 19 de setembro - Isla, Matheuzinho, Michael, Bruno Henrique, Filipe Luis e Diego Ribas. Eles serão testados nesta segunda e se o resultado for negativo podem ser relacionados.

Numa guerra de liminares na Justiça, a Confederação Brasileira de Futebol conseguiu derrubar decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-RJ), via Tribunal Superior do Trabalho (TST), e o jogo entre Palmeiras e Flamengo foi realizado mesmo com atraso de vinte minutos.

Mais cedo, a desembargadora Maria Helena Motta, plantonista do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-RJ) havia indeferido mandado de segurança impetrado pela CBF para realização da artida. Assim, ficava mantida a decisão liminar do juiz Felipe Olmo da 8ª Vara do TRT, que suspendia o jogo válido pelo Campeonato Brasileiro.

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) também havia negado recurso da CBF. A decisão do STJ  estabeleceu que a justiça do trabalho tinha sim competência para determinar se o jogo poderia acontecer.