Atualmente 15% das receitas de cota de TV, bilheteria e patrocínio vão para uma conta que paga o que o clube deve a credores, mas se as tudo correr bem o Rubro Negro não precisará mais pagar ninguém e poderá usar esse dinheiro para outras finalidades.

Assim explica o diretor jurídico do Flamengo, Bernardo Accioly. "A ideia é manter esse índice baixo de ações e caminhar para um número entre 20 e 30 em curso. É algo natural ao longo do tempo quando o empregador cumpre as regras. O Flamengo paga tudo de forma correta desde 2013 e chega em um momento de excelência na gestão. Isso nos permite reavaliar ao longo de 2017 a necessidade de manutenção no Ato Trabalhista, principalmente em razão do dinheiro que fica preso na conta sem utilização"

"O Flamengo mantém o controle semanal do Ato e tem um saldo absolutamente positivo. Não existe mais fila. Já pegamos 70 processos na fila em 2013. Hoje, temos o saldo, firmamos o acordo e pagamos. Os reclamantes não esperam para receber. Antigamente, existia o acordo, mas não o dinheiro. Agora é o inverso. Se o Flamengo avaliar que a quantidade de pagamentos não é suficiente para alcançar os valores depositados no Ato, não fará sentido manter a conta parada. O dinheiro pode ser utilizado em outras frentes. Salários, tributos, despesas. É uma análise inicial e que será observada ao longo do ano", finalizou o cartola.

​​