| Futebol

Flamengo x Chapecoense

Não podemos entregar "ouro" agora

Em qualquer circunstância seria um jogo difícil, lá na Arena Condá nunca é fácil se jogar contra o Chapecoense. Um leão dentro de seus domínios e uma formiguinha fora dele. Todavia, estaremos sem o Alan Patrick, jogador fundamental, o meia que tanto clamamos, o terceiro cartão amarelo contra o Cruzeiro o tirou do importante jogo deste domingo, também não contaremos com o incansável Emerson Sheik contundido, depois da maratona que o calendário da famigerada CBF nos impõe, outra ausência será a do Capitão Wallace, que tem subido de produção, jogando em sua verdadeira posição pelo lado direito da zaga, também as voltas com problemas de contusão, ainda não será dessa vez a escalação do Guerrero.  Em compensação, teremos as voltas de M.Araújo, Canteros e Everton que cumpriram suspensão também pelo terceiro cartão amarelo. Também o Ederson estará a disposição do treinador Oswaldo de Oliveira. Provavelmente entraremos em campo com P.Vitor, Pará, César Martins, Samir e Jorge, M.Araújo, Canteros, Everton, Ederson ou Luiz Antonio, Paulinho e Kayke. Um jogo escamado, de muita luta, muita marcação, atenção redobrada nas bolas alçadas, no apoio pela direita do lateral Apodi, que também deixa generosos espaços em suas costas.  Talvez um jogo muito bom para o grande "ladrão" de bolas Jonas, que foi um "leão" contra o Cruzeiro. Mas voltando ao Alan Patrick, este fará muita falta, tem sido o "termometro" do nosso meio campo, dado cadência ao nosso jogo e ainda encontrado situações decisivas nos jogos, fomos mal nas partidas  contra o Vasco na CB,  também em função da ausência do Alan Patrick, o Emerson Sheik também fará muita falta, sua entrega, sua intensidade de jogo, seu exemplo para os demais jogadores, sua qualidade de atacante e até sua liderança. Mas vamos para o jogo com confiança, superação, garra rubro-negra, jogar como Flamengo, na base de deixou chegar... Não podemos entregar o "ouro" agora, estamos numa reta final, uma boa  dose de otimismo também será fundamental.

Achamos que o Osvaldo irá de L.Antonio, o Ederson vem de parado devido a contusão muscular, o L.Antonio está com a moral que o gol contra o Cruzeiro lhe deu, mais inteiro, o Ederson poderia ser uma boa opção no banco. Vamos aguardar...

 

Torneiro Rio-S.Paulo

Depois da criação da Liga Sul/Minas/ Rio, aparece a especulação da volta do Torneio Rio-S.Paulo, os representantes cariocas seriam Botafogo e Vasco, já que a dupla Fla-Flu estará disputando o Torneio Sul/Minas/ Rio. Imaginemos o Botafogo vindo de uma Serie B, com uma equipe de Segunda Divisão, absolutamente fragilizado, sem maiores perspectivas de investimento e o Vasco descendo mais uma vez para a Série B, com um time também fraco e também sem maiores condições de competitividade. Em contrapartida enfrentariam o Corinthians , São Paulo, Santos e Palmeiras, todos fortes e altamente competitivos. Seria mais uma vergonha para estes dois decadentes clubes e a demonstração de que sem a dupla Fla-Flu, hoje o futebol do Rio não existe, está fadado ao insucesso, reflexo da politicagem que domina o nosso futebol, com o auxílio luxuoso da Federação, Rubinhos, Euricos, Caixas D'Agua, e outras figuras deste nível. Mais do que nunca, o futebol do Rio de Janeiro estará restrito a no máximo dois clubes de elite, existem teses que esta questão será irreversível, não caberá mais do que dois ou trêsclubes grandes em qualquer cidade do mundo, mesmo em São Paulo, uma cidade com uma população bem maior que a do Rio, três clubes dominam a cena do futebol, o Santos é de fora da capital. Estamos num momento de transição, num divisor de águas, felizmente o Flamengo está alcançando um novo patamar, se preparando para este novo status. O futuro será sombrio para a dupla Botafogo e Vasco...

 

 

Histórias Rubro-Negras

"Pode chover, pode o sol me queimar, que eu vou pra ver, a CHARANGA DO JAYME TOCAR"....Versos do Samba Rubro-Negro de Wilson Batista sucesso na voz de Roberto Silva em 1954 e repaginado por João Nogueira em 1979. 

 

Terno, gravata e chapéu. O traje de gala ilustrava as arquibancadas em tempos idos. Até que em 1942, o torcedor Jayme de Carvalho teve a ideia de juntar os amigos munidos de seus instrumentos musicais para fazer barulho. Nascia a CHARANGA DO JAYME, um grupo de músicos apaixonados que botou a banda pra tocar. A primeira torcida organizada do mundo, a charanga tem como combustível o amor. Mas como não é possível sobreviver apenas de sentimento, o grupo que tocou e encantou a trajetória do time da Gávea enfrentou momentos difíceis. A coisa desafinou. E por tempos, a charanga sumiu dos estádios. Mas ela está  voltando, mas de 70 anos depois de sua fundação. Abnegados rubro-negros, Jayme de Carvalho, sua esposa Dona Laura, Tio Gui gui atual presidente e hoje o último remanescente do grupo fundador, o Cunhado, que conta orgulhoso: " quem deu o nome de charanga foi o compositor e narrador esportivo Ary Barroso", "o irreverente Ary chamou a polícia, pois aquela "charanga" estava atrapalhando a sua narração". Estava assim batizada a primeira torcida organizada do Brasil e do mundo. 

QUE TORCIDA É ESSA grita-se em todos os recantos desse Brasil continental, orgulho maior de todo torcedor rubro-negro, ainda na última quinta-feira deu mais um grande show no palco do Maracanã, encantando a todos, levando o zagueiro César Martins as lágrimas. Que todos os amigos Rubro-Negros se sintam homenageados com esta lembrança da CHARANGA DO JAYME...

SRN

 

OBS: Texto baseado na reportagem do globo.com

 

           Pela segunda vez lembramos da Charanga do Jayme, também um grande  manancial de muitas Histórias Rubro-Negras.


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.