| Futebol

"Fundamental", Ilha é plano A do Fla, que descarta negócio com Lagardère

Vice-presidente de patrimônio do Flamengo, Alexandre Wrobel afirma que o Maraca é incógnita e que, sem mudanças, Arena da Ilha será estádio do clube para o Brasileiro

flameng - "Fundamental", Ilha é plano A do Fla, que descarta negócio com Lagardère



A reforma realizada pelo Flamengo para conceber a Arena da Ilha não deve ficar somente como uma alternativa, utilizada para jogos pontuais. Tendo em vista a indefinição vivida com o Maracanã e a empresa Lagardère, que comprou os direitos de concessão do estádio, o vice-presidente de patrimônio do Flamengo, Alexandre Wrobel, ressaltou que a nova casa do Fla deverá ser fundamental para as pretensões do clube no Brasileiro e também para os próximos três anos - tempo de duração do contrato firmado com a Portuguesa da Ilha do Governador (assista ao vídeo acima).

- Na verdade, hoje nós não temos o Maracanã, ele ainda é uma grande incógnita. A postura do Flamengo já foi colocada por diversas vezes na mídia, nós continuamos aguardando a definição por parte do governo do estado, ou seja, nesse sentido, a Arena da Ilha passa a ser fundamental. Ela é o nosso estádio e será o nosso estádio no Campeonato Brasileiro, salvo se ocorrer alguma mudança de rumo ou alguma definição com relação ao Maracanã e a nossa postura em relação à isso já está muito clara - afirmou, durante o "Redação SporTV" desta quinta-feira.

A escolha por priorizar a nova casa também passa pela compra dos direitos de concessão do Maracanã pela Lagardère, que deve anunciar seu plano de gestão em breve. A relação dos gestores do Rubro-negro com a empresa francesa não é boa e o presidente do clube, Eduardo Bandeira de Mello, chegou a definir seus representantes como "atravessadores" e "aventureiros". 

Um dos grandes problemas envolvendo a questão entre Flamengo e Lagardère passava pela BWA, sócia da empresa francesa, outra a sofrer rejeição por parte da diretoria do Flamengo. No entanto, a proposta apresentada em janeiro deste ano para a compra da concessão do estádio não envolvia a parceira. Apesar disso, ao ser questionado sobre a possibilidade de negociar com a Lagardère após a saída da BWA, Wrobel foi incisivo e declarou que qualquer tipo de acordo com ambas as empresas é inviável.

- Sem entrar em maiores detalhes, o Flamengo já fez algumas tratativas envolvendo a Lagardère e todas elas mostraram que não é um parceiro confiável, não é um parceiro que o Flamengo busca e efetivamente não comungam dos mesmos princípios que o Flamengo adota. Na nossa concepção, pelo histórico, por tudo que a gente já passou em termos de tratativas de negociação e de conversas, é inviável qualquer tipo de parceria com a Lagardère ou com a BWA, quem quer que seja nesse sentido. Não existe um único motivo, existe uma conjuntura de fatores que nos levaram a essa decisão. Logicamente, não foi a toa, não é uma decisão gratuita, tem um histórico que começou lá atrás com a BWA e se acentuou com as últimas tratativas que ocorreram com a Lagardère - declarou.

LEIA MAIS:
> Sem rivais, Lagardère fecha acordo para assumir concessão do Maracanã
> Capacidade, custos e o que falta fazer: saiba tudo sobre a arena rubro-negra

Wrobel também explicou qual foi a razão do aparecimento de um buraco que estaria atrasando as obras da Arena e afirmou que a expectativa do Flamengo e que o clube está agindo como deveria e ciente de sua responsabilidade com a reforma.

- Mais ou menos no final de fevereiro, em uma das vistorias periódicas que estavam sendo realizadas no estádio, até porque havia a necessidade da recolocação de quatro torres de iluminação, nós acabamos constatando a existência de um canal pluvial, ou seja, de captação de água de chuva. E aí, nesse exato momento, nós entramos em contato com os técnicos responsáveis e decidimos por bem, junto a Rio-Águas, que é o órgão responsável, fazer o remanejamento desse canal para que ele passe a caminhar atrás da arquibancada. Obra que está sendo realizada desde então e está em vias de ser finalizada. A nossa expectativa é que nos próximos 15 dias essa obra seja concluída e que o estádio passe por todas as vistorias - inclusive o Crea já nos procurou, já está marcada uma visita. O Flamengo não tem absolutamente nada a esconder, está absolutamente ciente da sua responsabilidade e tem agido assim desde então - concluiu o representante do clube.

Com a Arena da Ilha ainda sendo reformada, o Maracanã tem a garantia de que irá utilizar o Maracanã na partida contra o Vasco para decidir uma das vagas na final da Taça Rio. No entanto, a decisão não passou por nenhum representante do Flamengo, mas sim da Ferj. A partida acontece no próximo sábado, às 18h30 (horário de Brasília).


Fonte: http://sportv.globo.com/site/programas/redacao-sportv/noticia/2017/04/fundamental-ilha-e-plano-do-fla-que-descarta-negocio-com-lagardere.html