GE: “Tradução de brasileiro e carga emocional alta: bastidores do julgamento de Guerrero”

GE: “Tradução de brasileiro e carga emocional alta: bastidores do julgamento de Guerrero”

Paolo Guerrero passou mais de 10 horas dentro da sede do Tribunal Arbitral do Esporte (TAS). Chegou sorrindo, recepcionado às 8h31 por cerca de 15 torcedores peruanos. Saiu por volta de 18h45 (horários de Lausanne, na Suíça) ovacionado por um grupo ainda maior de fãs.

As feições, no entanto, escancaravam a exaustão. O desgaste era natural, não só pela longa duração do julgamento, mas por toda a carga emocional envolvida. A audiência desta quinta-feira foi definitiva para selar o futuro do atacante do Flamengo e da seleção peruana.

Todas as partes esperavam um julgamento longo devido ao número de apelações e de testemunhas a serem ouvidas. O caso foi apresentado a três juízes do CAS. Pela ordem, a defesa de Guerrero abriu os trabalhos. Os advogados brasileiros Bichara Neto e Pedro Fida e o espanhol Juan de Dios Crespo, este último responsável por reduzir uma pena de Lionel Messi nas Eliminatórias da Copa, no ano passado, apresentaram a seguinte tese.

Grupo de fãs de Guerrero mostrou apoio ao atacante (Foto: Helena Rebello/GloboEsporte.com)

O doping de Guerrero teria se dado de forma totalmente involuntária devido a uma contaminação. O atleta estava gripado à época do confronto com a Argentina pelas Eliminatórias, em outubro, e tomou um chá no hotel em que a seleção peruana estava concentrada. Mas o bule em que a bebida foi servida teria antes armazenado o chá de coca, responsável pelo resultado adverso. A baixa concentração de benzoilecgonina, o metabólito da cocaína encontrado na bebida, supostamente comprovaria esta teoria.

Essa possibilidade foi apresentada pela defesa embasada por três testemunhos. O depoimento do especialista coube ao bioquímico Luiz Claudio Cameron, da Unirio. Houve ainda a contribuição de mais uma testemunha presencial em Lausanne e de uma terceira, que depôs via Skype.

A Wada e a Fifa fizeram suas explanações na sequência. A Agência Mundial Antidoping pediu a ampliação da pena de Guerrero para dois anos – e, ao não solicitar a pena máxima de quatro, já relativiza a responsabilidade do jogador -, enquanto a Fifa tentou a manutenção da suspensão de seis meses, encerrada justamente nesta quinta.

A comitiva de defesa de Guerrero chegou a Lausanne na terça-feira. A quarta foi tomada por reuniões de preparação de advogados e testemunhas, sendo Guerrero uma delas. Nesta quinta-feira, após o café da manhã no hotel, o grupo se dirigiu à sede do TAS em dois carros. O trajeto durou cerca de 10 minutos e foi encerrado com uma recepção calorosa dos torcedores, que gritavam “Paolo é inocente”, em espanhol.