​Os Jogos Olímpicos do Rio trouxeram um prejuízo surpresa aos times do Rio. Além de não poderem contar com o Maracanã e o Engenhão, fechados por conta da utilização durante o evento, as equipes também não poderão jogar no Estado do Rio de Janeiro enquanto a Olimpíada estiver acontecendo. Isso porque o Grupamento Especial de Policiamento em Estádios (Gepe) estará à disposição das partidas de futebol masculino e feminino e solicitou que as partidas dos clubes fossem suspensas. Confira a nota oficial divulgada pela Polícia Militar:

"A Polícia Militar solicitou a suspensão dos eventos esportivos da CBF (Confederação Brasileira de Futebol) no Estado do Rio de Janeiro durante o período olímpico para não comprometer a capacidade operacional que estará concentrada nos eventos olímpicos, além disso o efetivo do Grupamento de Policiamento de Policiamento em Estádios será empenhado nas modalidades de futebol das Olimpíadas".

A CBF ainda não se pronunciou oficialmente sobre o assunto. Botafogo, Fluminense e Vasco serão os maiores prejudicados pela medida - o Flamengo vendeu os mandos de campo desse período e já jogaria fora do Rio de Janeiro antes da decisão do Gepe. Quanto ao trio restante, a tendência é que os clubes peçam o adiamento das partidas. 

O Alvinegro teria que remarcar os confrontos contra Palmeiras (1º de agosto), Grêmio (7 de agosto) e Sport (20 de agosto), enquanto o Fluminense reagendaria os duelos contra o Figueirense (3 de agosto) e o América-MG (14 de agosto). O Vasco, por sua vez, teria que realocar os compromissos contra o Sampaio Corrêa (20 de agosto) e o Vila Nova (30 de agosto).

"Já sei disso, oficialmente ainda não recebemos nada da CBF. É surpreendente porque o prejuízo para as equipes do Rio de Janeiro é imenso. É uma total falta de planejamento. Nenhuma chance de o Botafogo levar os jogos para fora do Rio. O Botafogo não vai assumir custo nenhum por conta de Jogos Olímpicos. Investimos em um estádio. A CBF, se quiser, que adie as partidas. É uma medida extremamente infeliz. Espero que o Governo do Rio de Janeiro reveja essa decisão", disse o presidente alvinegro Carlos Eduardo Pereira, em entrevista ao site ​GloboEsporte.com.

​​