Go, Rhett! Pivô americano cresce no NBB e virá peça chave no elenco do FlaBasquete

Uma das contratações para a temporada 2017/18, o norte-americano Malcolm Jalell Rhett vive um momento especial. Popularmente chamado por MJ, o camisa 0 vem caindo nas graças da Nação Rubro-Negra com um repertório variado de jogadas. Rhett chegou ao Flamengo após uma temporada longa e pesada na República Dominicana e levou um tempo para entrar no melhor momento físico e técnico. Após o período de adaptação, o ala-pivô vem mostrando jogo após jogo o seu grande potencial e importância no time do técnico José Neto. 

O crescimento de Rhett começou a se evidenciar no primeiro clássico contra o Vasco da Gama, no dia 30.12. Na partida, o americano voltava após 2 semanas afastado, período difícil, mas considerado importante pelo jogador pelo apoio que recebeu dos companheiros e da comissão técnica. Em dez minutos em quadra, MJ marcou onze pontos e distribuiu tocos, mostrando que estava decidido e que iria reverter a situação. O resultado não poderia ser diferente, após dias intensos de treinamentos o potencial do jovem americano foi ficando cada vez mais evidente.


Nos últimos quatro jogos do FlaBasquete, MJ Rhett foi o cestinha da partida em três, mostrando ser um elemento chave na rotação rubro-negra. Contra o Universo/Vitória, o ala-pivô deixou 16 pontos em 16 minutos, sendo o maior pontuador do confronto. Em seguida, contra o Botafogo, o americano mostrou que brilha nos momentos de rivalidade. Rhett marcou dez pontos, pegou oito rebotes, e deu show para a torcida. Duas pontes-aéreas que puseram abaixo a Arena Carioca 1 e deixaram a Nação Rubro-Negra em grande euforia. Mais uma vez contra o Vasco, o camisa 0 resolveu brilhar. Chamando a responsabilidade e com uma frieza irretocável, o americano terminou a partida como cestinha com 15 pontos em uma de suas maiores minutagens no NBB, mas estava faltando algo.

 A constatação de que MJ Rhett virou um dos xodós da torcida rubro-negra veio na partida diante do Campo Mourão. Em um jogo marcado pela estreia de Anderson Varejão, Rhett mostrou toda sua versatilidade. Teve toco, enterrada e cesta da linha de três pontos. Resultado? Cestinha de mais uma partida com 17 pontos, seu recorde no FlaBasquete, e saída sobre aplausos em uma Arena Carioca 1 absolutamente lotada. O caminho com o Manto Sagrado está iniciado,  crescimento de MJ é evidente, e a torcida já notou que o americano está trilhando uma bonita história de recuperação e persistência. Nos resta dizer, como o próprio americano frisa, War Rhetty!