| Futebol

Indesejáveis... Por: Gilmar Ferreira

Mergulhado num mar de problemas para a montagem do time que disputa o Brasileiro, o Flamengo tem mais dois para resolver

flameng - Indesejáveis... Por: Gilmar Ferreira

Mergulhado num mar de problemas para a montagem do time que disputa o Brasileiro, o Flamengo tem mais dois para resolver.

Os meias Adyan, 21 anos, e Lucas Mugni, 24 anos, retornaram de empréstimos direto à folha do departamento de futebol do clube.

O objetivo é reemprestá-los, embora haja quem defenda o aproveitamento de Adryan _ prata da casa, talentoso e já com alguma bagagem internacional.

Se tiver de pagar os salários dos dois até o final dos contratos, o Flamengo terá gasto cerca de R$ 3 milhões.

VANTAGEM .

Adryan teve três passagens pelo futebol europeu, o que computa a seu favor.

O meia saiu em 2013 para jogar no Cagliari, então na primeira divisão italiana, passou pelo Leeds United, da segunda divisão do futebol inglês, em 2014, e no Nantes, na primeira divisão francesa, em 2015.

O garoto criado na Gávea, campeão da Copa São Paulo aos 16 anos em 2011, camisa 10 de algumas seleções da base da CBF, tinha direitos federativos fixados em US$ 3.5 milhões, mas os franceses abriram mão do direito de compra.

O jogador recebe R$ 80 mil mensais e tem contrato até março de 2017.

ESTORVO

A situação do argentino Mugni é bem mais complicada.

Devolvido pelo Newell's Old Boys, da Argentina antes mesmo do término do acordo, o jogador não quer deixar o Rio de Janeiro.

No ano passado, rejeitou proposta do Al Rayyan, do Catar, e logo depois outra do Atlético-PR. Comprado ao Collon em janeiro de 2014 por € 1,25 milhão (90%), recebe cerca de R$ 130 mil mensais e tem contrato até janeiro de 2018.

O engraçado é que Mugni foi contratado naquela eterna busca por um camisa 10, e sua chegada determinou o empréstimo de Adryan.

Opção que critiquei à época ao saber que Mugni não era exatamente o meia que os rubro-negros pensavam que fosse.

Fonte: http://extra.globo.com/esporte/gilmar-ferreira/indesejaveis-19664956.html#ixzz4DkaX7DAG

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

5 Comentários
image

Francisco MedeirosHá 4 meses

Quem suporta a presença do Guerrero ganhando o alto salário mensal e demais direitos fora os encargos sociais que o clube é obrigado a contribuir sem nenhum retorno do peruano tranquilamente pode suportar a presença do Mugni e principalmente do Adrian que é cria da casa e pode dar um excelente retorno para o Flamengo. Outro que precisa ser dispensado o mais rápido possível é o atual dirigente de futebol que só deixa furo nas suas decisões. SRN.

Hermes JuniorHá 4 meses

O ADRYAN TEM QUE FICAR, VAMOS DAR MAIS UMA MORAL AO MENINO, QUE TEM MAIS EXPERIÊNCIA HOJE

image

Marcelo Gonçalves JourdanHá 4 meses

Espero que nossa diretoria encontre atacantes que façam gols, e ao menos mais um meio campo armador! Negociaria Sheik e Éverton!

image

Marcelo Gonçalves JourdanHá 4 meses

Flamengo precisa de reforços! Levamos uma goleada horrorosa! Heber Roberto Lopes não impediu o Flamengo de marcar gol algum no primeiro tempo em que foi indiscutivelmente superior; não foi Heber Roberto Lopes, mas Jorge que "armou" o contra-ataque do segundo gol; foram os jogadores que não tiveram força mental para resistir ao Corinthians e reagir dentro de campo; foi Zé Ricardo que escolheu o banco de reservas; foi Jayme de Almeida que não conseguiu estruturar taticamente o time após o primeiro gol no segundo tempo e quem decidiu cada substituição. E cada gol do Corinthians subsequente ao primeiro foi marcado por total mérito e competência por saber aproveitar o desmanche tático e emocional do Flamengo.O Flamengo precisa encontrar respostas para sua ineficiência ofensiva e incapacidade de reagir e manter o controle do jogo, tal como exercido na primeira etapa. Buscar punição para o incompetente e possivelmente mal intencionado árbitro pode até ser uma medida extracampo importante em nível político, porém não solucionará seus problemas dentro de campo.

Zeca TorresHá 4 meses

Análise bastante sensata e precisa. Assino embaixo, Marcelo.

Carregar mais