O clube paranaense detém metade do passe de Cirino, enquanto a Doyen possui os outros 50%. O grupo foi o responsável por levar o atacante ao Flamengo, no início de 2015. O Rubro-Negro carioca tem até janeiro de 2018 para vender o jogador e ficar com 20% do valor; caso contrário, terá que pagar R$ 16 milhões aos investidores.

O Inter, por sua vez, aguarda a liberação do Atlético-PR para negociar salários com Cirino. Em entrevista à ESPN, o presidente colorado, Marcelo Medeiros, preferiu não dar detalhes sobre a negociação.

"Não comento sobre nomes, é um grande atleta, mas, para respeitar todas as questões envolvendo o assunto, a gente guarda com reserva pra que elas não possam ser prejudicadas", afirmou.

​​

​​