​Diego chegou com pompa ao Flamengo, com direito a recepção de mais de 500 torcedores no aeroporto Santos Dumont. Depois de uma negociação arrastada, que deixou a torcida rubro-negra apreensiva, o clube anunciou o meia como reforço na última terça-feira e o apresentou oficialmente na quarta. O vice-presidente de futebol do Fla, Flávio Godinho, destacou a importância da vontade do jogador na concretização do negócio.

"Foi aos 45 minutos do segundo tempo, mas a coisa só aconteceu pelo desejo e esforço do Diego em jogar no Flamengo. Ele demonstrou muita vontade e foi fundamental para a negociação se concretizar", disse o dirigente.

Longe do Brasil há 12 anos, quando deixou o Santos, Diego construiu uma carreira sólida na Europa, mas ficou conhecido por uma certa irregularidade em relação aos clubes pelos quais passou. Ele não foi bem no Porto, de Portugal, mas fez sucesso no Werder Bremen, da Alemanha; não teve destaque na Juventus, da Itália, e no Wolfsburg, da Alemanha, mas brilhou com a camisa do Atlético de Madrid, da Espanha. Por último, não desempenhou o esperado no Fenerbahçe, da Turquia. Se seguir o padrão, o Flamengo pode esperar grandes atuações do meia.

"Estou preparado para fazer o Flamengo vencer. Não tenho o objetivo de me tornar logo de cara uma referência. Isso é criado com tempo. Precisamos de vitórias e conquistas. Quem não quer se tornar ídolo e cair nas graças da torcida? São motivações, mas os títulos que fazem isso acontecer. Nas últimas temporadas não encontrei o meu melhor nível e acho que o Flamengo é um excelente clube para isso acontecer. É para isso que eu vim", afirmou Diego.