Lance!: “Prós, contras e os riscos do Flamengo ao ‘ir levando’ Barbieri como interino”

Lance!: “Prós, contras e os riscos do Flamengo ao ‘ir levando’ Barbieri como interino”

As presenças de Eduardo Bandeira de Mello, Ricardo Lomba e Carlos Noval tornaram-se frequentes no Ninho do Urubu desde a reformulação no departamento de futebol. A cúpula do futebol do Flamengo está atrás de um treinador e faz uma avaliação constante sobre o trabalho de Maurício Barbieri, auxiliar que comandará o Flamengo diante do Vitória, no sábado, em Salvador.

A poucos dias da estreia do Campeonato Brasileiro, o mercado impõe dificuldades à diretoria, que já ouviu o “não” dos dois nomes favoritos: Renato Portaluppi e Abel Braga. A opção pela efetivação de Barbieri não está descartada, mas é de risco, em especial para o presidente Bandeira de Mello.

O LANCE! analisou os prós, os contras e os riscos da opção do Flamengo de “ir levando” Maurício Barbieri como interino enquanto não chega a um nome.

PRÓS

Contratado em 7 de janeiro para ser auxiliar permanente do clube, Maurício Barbieri já conhece o atual elenco, suas carências e qualidades. Além disso, o auxiliar tem um bom relacionamento e, entre os jogadores, a ideia de sua efetivação é bem vista. Todos atletas têm elogiado os treinos comandados por ele desde a saída de Carpegiani, após a queda no Estadual, em 28 de março.

“Moderno”, “qualificado” e “diferenciado” são as características citadas por quem conhece e tem treinado sob o comando de Barbieri nas últimas duas semanas no Flamengo. Com métodos de treinamento atualizados e com a capacidade de explicar, o auxiliar tem conseguido exigir o máximo do elenco.

CONTRAS

O auxiliar é bem-quisto pelo elenco, mas a inexperiência é um fato. Chegou ao Flamengo em 7 de janeiro após passagens pelas categorias de base e time principal de Red Bull Brasil, Audax Rio, Guarani e, por fim, Desportivo Brasil.

Depois da estreia no Brasileirão contra o Vitória, sábado, o Flamengo já volta a campo pela Libertadores na quarta, dia 18, contra o Santa Fe, da Colômbia.

O fracasso de 2017 ainda está fresco na memória e torna um novo insucesso na fase de grupos inadmissível. Assim, o jogo que se desenha como decisivo para Barbieri ganhar força e ser efetivado é decisiva para os planos do clube.

Reprodução: Lancenet!