| Futebol

Libertadores: rivais de tradição e antigo carrasco no caminho do Fla

Flamengo cai em grupo difícil no torneio continental. Adversários vivem bons momentos nos torneios nacionais, mas podem perder peças fundamentais

flameng - Libertadores: rivais de tradição e antigo carrasco no caminho do Fla

O sorteio da Libertadores 2017 colocou o Flamengo em um grupo com velhos conhecidos. San Lorenzo e Universidad Católica já cruzaram o caminho rubro-negro em competições continentais e as lembranças mais recentes não foram das mais agradáveis para o time brasileiro. São times que vivem bons momentos nas disputas nacionais, mas que devem sofrer com saídas de jogadores importantes. Os chilenos, por sinal, já perderam seu principal atacante.

O Grupo 4 da Libertadores será preenchido por um time da fase classificatória. O Atlético-PR está nesse caminho e pode tornar a chave ainda mais difícil, com seu campo de grama sintética  que tem dificultado a vida dos rivais.

Abaixo, veja uma análise do que espera do Flamengo:


Como terminou 2016... e como iniciará 2017

O San Lorenzo iniciará 2017 cercado de dúvidas. Com um dos elencos mais valorizados da Argentina, tem chance de perder jogadores importantes, cobiçados por clubes de fora. Um deles é o lateral-esquerdo Emmanuel Mas, que foi pretendido pelo Flamengo em 2014, e o atacante uruguaio Martín Cauteruccio, goleador da equipe. A presença do treinador Diego Aguirre, que dirigiu sem sucesso Internacional e Atlético-MG, também é incerta para a próxima temporada.

Se a diretoria conseguir manter todos os jogadores, é uma equipe que promete dar trabalho. Embora tenha sido campeã em 2016 apenas da Supercopa, é tido por muitos especialistas argentinos com um dos melhores times do país.

Iniciou o ano goleando o Boca Juniors por 4 a 0 na decisão da Supercopa da Argentina, mas depois foi vice do Campeonato Argentino para o Lanús. Está na vice-liderança da atual competição e tem em Cauteruccio o vice-artilheiro, com nove gols.

Estão ainda no elenco o veterano meia Romagnolli, que tem jogado pouco, mas não traz boas lembranças para o torcedor do Flamengo. Era o camisa 10 do San Lorenzo campeão da Mercosul diante do Rubro-Negro em 2001, nos pênaltis. O veterano zagueiro Collocini, ex-Newscatle, é o xerifão da zaga.

Destaque
É difícil apontar apenas um destaque. Os donos do time são os experientes meias Fernando Belluschi e Néstor Ortigoza, que formam uma baita dupla no meio de campo. O primeiro chegou ao clube em 2016 e fez 12 jogos, com quatro gols no Argentino e foi eleito o melhor jogador que atua no país.

Já o paraguaio, de 32 anos, está desde 2011 na equipe e fez 11 partidas no Argentino. Foi dele o gol do título da Libertadores 2014. Os dois dividem a missão de armar o setor ofensivo da equipe de Diego Aguirre.

Fim de uma espera...
Por muitos anos o torcedor do San Lorenzo ouviu gozações dos rivais por jamais ter vencido a Libertadores. O sofrimento acabou em 2014, com o título vindo em decisão diante do Nacional, do Paraguai. Alguns jogadores daquela equipe ainda estão no time, como Ortigoza, autor do gol decisivo, e Romagnolli.  Antes disso, havia sido semifinalista em 1973 e 1988.



Estádio
O San Lorenzo manda seus jogos no Estádio Pedro Bidegain, conhecido como “El Nuevo Gasómetro”. Inaugurado em 1993, o local tem capacidade para quase 48 mil torcedores e passou recentemente, em 2007, por uma reforma.  O Flamengo esteve lá em 2001, quando perdeu nos pênaltis a decisão da extinta Copa Mercosul para o San Lorenzo.

Logística da viagem
Há várias companhias aéreas que fazem voos diretos do Rio de Janeiro para Buenos Aires, na Argentina. Há ainda opções com escalas ou conexões em outras cidades brasileiras. Ficar hospedado na capital argentina também é fácil, com dezenas de opções de hotéis para todos os bolsos. A cidade costuma receber anualmente milhares de brasileiros.


Como terminou 2016... e como iniciará 2017

A Universidad Católica teve um dos melhores anos de sua história em 2016. Foi bicampeã do Chileno, vencendo o torneio Apertura e o Clausura. Além disso, faturou a Supercopa ao vencer a Universidad do Chile por 2 a 1. É treinada por Mario Salas, que está há dois anos no clube, antes de dirigir equipes de menores tradições no país. “Há três anos estava na Terceira Divisão”, costuma dizer em suas entrevistas o treinador, de 47 anos.

Apesar do bom momento, o time está enfraquecido em relação ao que acabou de ser bicampeão. Castillo, principal atacante da equipe e que marcou 13 gols em 11 jogos, foi negociado para o Pumas, do México. Há o temor de que o goleiro Cristopher Toselli, um dos melhores da posição no país, também seja vendido.

Não há promessa e nem informações sobre possíveis reforços. Em entrevistas, tanto Salas quanto os dirigentes falam que a meta principal é segurar a base do time e trazer reforços pontuais. Um atacante deverá ser contratado para suprir a saída de Castillo e fazer companhia a Noir, argentino revelado pelo Boca Juniors e autor de três gols no bicampeonato. 

Destacam-se ainda o meia Bounanotte, revelado pelo River Plate e com passagens pelo Málaga, da Espanha, e o zagueiro Guillermo Maripán, convocado recentemente para a seleção chilena.

Destaque:
Com a saída de Castillo, o principal nome da equipe é o argentino Diego Bounanotte, de 28 anos. Chegou à Universidad Católica em 2016 e venceu a Supercopa do Chile e o Campeonato Chileno. Nesta última conquista, foi vice-artilheiro do time. Marcou oito gols em 13 jogos disputados. Por ser muito baixo, apenas 1m57, era chamado na Argentina de “El Enano” (O Anão). Foi figura carimbada nas seleções de base da Argentina e medalha de ouro em Pequim 2008.

Falta uma Libertadores...
A Universidad Católica nunca venceu a Libertadores. Foi vice uma vez, em 1993, quando foi goleado no Brasil por 5 a 1 pelo São Paulo de Telê Santana. Venceu na volta apenas por 2 a 0. Outras três vezes foi semifinalista. Em uma delas, caiu diante do Santos, de Pelé, em 1962. Empatou por 1 a 1 em casa e foi derrotado por 1 a 0 em São Paulo, gol de Zito.

Estádio
O estádio San Carlos de Apoquindo é conhecido do Flamengo. Lá o Rubro-Negro foi derrotado por 2 a 0 na fase de grupos da Libertadores de 2010. É um palco acanhado, inaugurado em 1988 e com capacidade para 18 mil torcedores. O estádio fica em Santiago-CHI e se localiza aos pés da Cordilheira dos Andes.

Logística de viagem:
É fácil ir do Rio de Janeiro para Santiago de avião. Há voos comerciais diretos saindo do aeroporto do Galeão e a duração é de 3h40. Há ainda outras opções, com escala em São Paulo. A rede hoteleira em Santiago é ampla e há boas opções para quem quiser passear e conhecer a cidade, que recebe milhares de brasileiros todo ano.

São cinco times que podem preencher o Grupo 4 da Libertadores. Entre eles, o Atlético-PR, que disputa a Segunda Fase, de mata-mata, contra o Millonarios, da Colômbia. O Furacão, que costuma impor dificuldades para o Flamengo na Arena da Baixada, pinta como favorito no confronto. Porém, há outros três concorrentes.

Isso porque na Primeira Fase um mata-mata entre Deportivo Capiatá-PAR x Deportivo Táchira-VEN decidirá quem enfrenta o Universitario, do Peru, ex-time do lateral-esquerdo Trauco, reforço do Flamengo, na Segunda Fase. Na Terceira, o vencedor do duelo encara quem passar de Atlético-PR e Millonarios.

O Furacão já foi vice do torneio em 2005. Esse é melhor resultado do Universitario, segundo colocado em 1972 e semifinalista em 1967 e 75. É um dos clubes com mais participações em Libertadores, indo para sua 30ª disputa. O brasileiro que mais jogou foi o São Paulo, com 18.

Fonte: http://globoesporte.globo.com/futebol/times/flamengo/noticia/2016/12/libertadores-rivais-de-tradicao-e-antigo-carrasco-no-caminho-do-fla.html

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.