Liga Nacional de Polo Aquático divulga calendário de 2018

Liga Nacional de Polo Aquático divulga calendário de 2018

Foto: M1ND

A preparação para a Liga Nacional de Polo Aquático 2018 segue forte no Flamengo. Na manhã desta segunda-feira (2), a entidade que organiza o campeonato brasileiro da modalidade divulgou o calendário completo do torneio, que será iniciado na próxima quarta (11).

O Flamengo estreia diante do Botafogo, às 20h15, no clube do adversário. Depois, o Mais Querido enfrenta Fluminense, Paineiras e ABDA no Rio de Janeiro, embarcando para São Paulo em seguida para os duelos contra Pinheiros, Sesi e Paulistano.

Após o primeiro turno, que vai até o dia 27 de maio, as equipes só retornam às piscinas no dia 5 de outubro, quando começa o returno. Os playoffs serão iniciados no dia 6 de dezembro e terão sede no Rio de Janeiro. A grande final está marcada para o dia 9 do mesmo mês.

Em 2017, o Flamengo iniciou o torneio brigando por título e conseguiu bons resultados dentro e fora de casa. Nos playoffs, a equipe acabou caindo diante do Pinheiros nas quartas de final, terminando a disputa na quinta posição.

Confira o calendário completo da Liga Nacional PAB:

Primeiro turno
11/04 - Botafogo x Flamengo - no Botafogo - 20h15
14/04 - Flamengo x Fluminense - no Flamengo - 16h
21/04 - Flamengo x Paineiras - no Fluminense - 17h30
23/04 - Flamengo x ABDA - no Flamengo - 20h
25/05 - Pinheiros x Flamengo - no Pinheiros - 20h
26/05 - Sesi x Flamengo - no Pinheiros - 15h30
27/05 - Paulistano x Flamengo - no Sesi - 09h30

Returno
5/10 - Flamengo x Sesi - no Flamengo - 16h
13/10 - Flamengo x Botafogo - no Flamengo - 16h
18/10 - Fluminense x Flamengo - no Fluminense - 20h
9/11 - ABDA x Flamengo - no ABDA - 20h
10/11 - Paineiras x Flamengo - no Paineiras - 16h30
30/11 - Flamengo x Pinheiros - no Fluminense - 19h
2/12 - Flamengo x Paulistano - no Botafogo - 10h

As equipes de polo aquático do Clube de Regatas do Flamengo contam com recursos de seus patrocinadores – AmBev, Rede D’or, IRB Brasil RE, CSN, Brasil Plural, EY – via Lei de Incentivo Federal/Ministério do Esporte (IR), além de apoio do Comitê Brasileiro de Clubes (CBC) proveniente da descentralização de recursos oriundos da Lei Pelé.