| Futebol

Luxa não muda discurso: "Ainda não conseguimos estar fora da confusão"

Oito pontos distante da zona de rebaixamento, técnico do Flamengo, que venceu pela quinta rodada seguida, ainda evita falar em novos objetivos no Brasileirão

 

A tabela não mente: o Flamengo já está mais perto do G-4 do que da zona de rebaixamento. Mas ainda assim Vanderlei Luxemburgo mantém o discurso de que a grande conquista da equipe do Brasileirão é fugir da confusão - como gosta de chamar a zona de degola. Depois do triunfo por 2 a 1 sobre o Vitória, neste domingo, no Barradão - o quinto consecutivo na competição -, o treinador evitou discursos mais empolgados e pregou pés no chão.

Faltando uma rodada para terminar o primeiro turno do Campeonato Brasileiro, Luxa ao menos já admitiu olhar para cima em algum momento, mas só em caso de vitória contra o Grêmio, sábado, no Maracanã. Até lá, a preocupação do Flamengo segue sendo com a parte de baixo da tabela.

- Ainda não conseguimos estar fora da confusão. Avançamos, começamos a botar a cabeça para fora e começando a olhar alguma coisa para frente. Os jogadores têm que ter os pés no chão, tranquilidade. Conquistamos três vitórias fora de casa, confrontos diretos, e isso é muito importante. Vencer fora de casa representa muito. Hoje, nós sofremos. O futebol é coletivo, a equipe tem que se doar, mas alguém vai sempre ter destaque. Desta vez, foi o Paulo Victor, que pegou um pênalti quando o jogo estava 2 a 1. O Flamengo está caminhando bem e estamos felizes pelo momento.

Com 25 pontos, o Flamengo é o nono colocado no Brasileirão, com oito a mais que o Criciúma, primeiro time no Z-4, e sete a menos que o Corinthians, que fecha o G-4. No sábado, o compromisso é contra o Grêmio, às 18h30m (de Brasília), no Maracanã, pela 19ª. Antes, porém, o Rubro-Negro recebe o Coritiba, quarta-feira, pelo jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil.

Confira a íntegra da coletiva:

Jogo com o Coxa

- Vamos com calma. A partir de segunda-feira que vou pensar na Copa do Brasil. É mentira, já estou pensando agora (risos). Vou ver a recuperação da equipe. O resultado fora de casa foi ruim. Vamos ver com calma. O Coritiba empatou com o Atlético-MG, vamos ver o que eles vão fazer.

Respeito todas as opiniões. As pessoas te rotulam do jeito que querem. De repente, fiquei ultrapassado, velho... Um mês depois, mudou tudo. Isso é o futebol
Vanderlei Luxemburgo

Desfalques de Wallace e Everton

- Vamos pensar no jogo de quarta e depois no sábado. É momento de valorizar o elenco. Se pensarmos que sete rodadas atrás estávamos com sete pontos e a coisa estava muito feia, agora conseguimos ver coisas boas. Mas não podemos mudar o comportamento. Temos que ter a mesma seriedade e dedicação. Temos a opção do Samir agora de volta, que é um jovem com potencial grande. Vamos ver o que podemos fazer na quarta já pensando no sábado.

Fuga do rebaixamento

- Não escapamos. Se alguém me provar que já escapamos, vou comemorar. Vou mandar a diretoria pagar, fazer alguma coisa. Melhoramos nossa situação, conseguimos colocar oito pontos de diferença e isso representa três jogos. Se conseguirmos vencer o Grêmio, que é um adversário difícil e aguerrido, podemos avançar para 28 pontos no término do primeiro turno. É uma pontuação que ninguém imaginava. Aí, sim, vão faltar 18 pontos para sairmos da confusão e poderemos começar a vislumbrar algo diferente. Temos que ir seguindo. Mostramos aos jogadores como se vence um jogo quando não tem uma equipe forte tecnicamente. É com muita dedicação, comportamento tático, equilíbrio... Não temos a melhor equipe da competição, mas podemos ganhar delas com dedicação.

Evolução em jogos fora de casa


- Temos que ter marcação dobrada, um jogador ajudar o outro, centroavante marcar volante... Aí, dificulta para o adversário. Diziam que o Flamengo tomava muito gol, que não vencia fora de casa, que não vencia em Salvador há não sei quantos anos... Tudo isso é futebol. São coisas que acontecem e não vamos ficar eternamente sem ganhar. Tudo isso pertence ao futebol.

Melhora do Fla no segundo tempo


- Nossa função, como técnico, é falar o que se percebe no intervalo. Às vezes é esporro, posicionamento... Mas não posso falar para vocês (risos).

Surpresa com arrancada?

- Respeito todas as opiniões. As pessoas te rotulam do jeito que querem. De repente, fiquei ultrapassado, velho... Um mês depois, mudou tudo. Isso é o futebol. No Brasil, a análise de um profissional de alto nível deve ser feita da carreira, e não de momentos. É preciso analisar a performance ao longo da carreira. Jornalista não fica velho? Fica sábio, inteligente. O técnico fica burro. É preciso um pouco mais de critério. Não pode tirar fora por causa de um problema momentâneo. Mas não tenho reclamação. Estou feliz, tranquilo, sossegado.

Jogos no Maracanã

- Quero convocar o torcedor para quarta-feira, ainda temos chances, e no sábado o torcedor pode comparecer em massa. Temos aí a campanha do sócio-torcedor. O Flamengo tem 40 milhões de torcedores e pode passar o Inter, que é quem tem mais. Tudo isso é legal, é um processo legal.

Comentar pelo Facebook

Leia também


Comentar pelo Site

Nenhum Comentário
Seja o primeiro a comentar essa notícia.