Maurício Barbieri ganha força no Flamengo, mas ainda divide opiniões

Maurício Barbieri ganha força no Flamengo, mas ainda divide opiniões

Ao fim do treino de segunda, Maurício Barbieri, Eduardo Bandeira de Mello e Ricardo Lomba permaneceram no Campo 4 do Ninho do Urubu e conversaram por cerca de 15 minutos. A presença do presidente e vice de futebol no CT e a "reunião" fazem parte da avaliação constante sobre o trabalho do auxiliar.

A cinco dias da estreia do Brasileirão, Barbieri inicia a semana como interino ganha força para comandar o time diante do Vitória, no sábado, em Salvador.

A efetivação de Maurício Barbieri divide opiniões desde o início nos bastidores da Gávea. O auxiliar foi o único que "sobreviveu" à queda no Estadual: saíram Carpegiani e os também auxiliares Jayme de Almeida e Rodrigo Carpegiani.

Além deles, o diretor Rodrigo Caetano, o gerente Mozer e o preparador Marcelo Martorelli também deixaram o clube da Gávea após a derrota para o Botafogo.

Quando foi apresentado como novo diretor de futebol, Carlos Noval marcou sua posição ao declarar que o auxiliar faz o perfil de técnico que o agrada e elencou qualidades do jovem profissional, que chegou ao Flamengo em 2018.

A outra corrente nos bastidores da Gávea pressiona a direção, em especial o presidente Eduardo Bandera de Mello, pela chegada um técnico de renome, capaz de cobrar o atual elenco, com grandes nomes, de "cima para baixo".

Os entraves, neste caso, são as questões financeiras e as poucas opções livres no mercado - e dispostas a assumir o comando do Flamengo. Renato já disse que não deixará o Grêmio. Luiz Felipe Scolari, por sua vez, está na Europa e deve priorizar propostas de outros países antes de decidir voltar ao Brasil.

Ainda sem encontrar um nome que agrade na Gávea, a cúpula do futebol do presidente  Eduardo Bandeira de Mello enxerga a pressão crescer a cada dia.